Para Obama, tratado é o primeiro passo para melhora de relações bilaterais

EUA e Rússia firmaram novo acordo de redução nuclear em Praga após meses de negociação

estadão.com.br

08 de abril de 2010 | 10h20

 

PRAGA - O presidente dos EUA, Barack Obama, disse que o novo acordo de redução de armas estratégicas assinado nesta quinta-feira, 8, com o presidente russo, Dmitri Medvedev, foi apenas o primeiro passo do estreitamento das relações bilaterais entre os dois países, algo que deverá ser discutido ainda nesta ano com uma futura visita do mandatário europeu ao país americano.

 

Veja também:

linkEUA e Rússia firmam novo Start

linkAIEA comemora tratado entre Rússia e EUA

linkAcordo só será viável se EUA não insistirem em escudo, diz Medvedev

 

"Nós discutimos a potencial expansão de nossa cooperação em prol do crescimento econômico, do comércio, dos investimentos e da inovação tecnológica. Espero discutir esses assuntos futuramente, quando o presidente Medvedev visitar os EUA ainda este ano", disse Obama após assinar o novo Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Start, na sigla em inglês) em Praga, na República Checa.

 

Segundo o porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, a visita de Medvedev deve ocorrer no meio do ano e será "o próximo passo para melhorar as relações bilaterais".

 

Obama também revelou o desejo de iniciar o diálogo de uma ainda maior redução de arsenais. "Como eu disse no ano passado em Praga, esse tratado será um marco inicial para os cortes. E avançando, esperamos discutir com a Rússia uma redução mútua de nossos arsenais estratégicos", disse o americano.

 

Segundo o mandatário dos EUA, Medvedev concordou em debater a questão do escudo antimísseis que os americanos pretendem instalar na europa, um assunto delicado entre as duas potências. "Isso incluirá mudanças regulares de informação sobre nossos objetivos. Eu pretendo iniciar um sério diálogo sobre a cooperação russo-americana na defesa envolvendo um escudo antimísseis", completou Obama.

 

(Com informações da Efe, da AP e da Reuters)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.