Para Sarkozy, premiê espanhol 'não é muito inteligente'

Jornal francês publica declarações do francês em almoço; Obama é sem experiência e Berlusconi um exemplo

Efe,

16 de abril de 2009 | 08h23

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, subestima o presidente americano, Barack Obama, a chanceler alemã, Angela Merkel, e acredita que o presidente espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, não é "muito inteligente". Esta é a conclusão que se tira das declarações feitas pelo chefe de Estado francês nesta quarta-feira a um grupo de parlamentares franceses durante um almoço de trabalho, publicadas nesta quinta-feira, 16, pelo jornal Libération em uma informação intitulada "Sarkozy se considera o chefe do mundo".

 

Foi um ato convocado para falar da crise e da última reunião do Grupo dos Vinte (G20, os países ricos e os principais emergentes), mas, no fim, segundo o jornal - que cita vários dos participantes -, o presidente francês se dedicou mais a criticar outros líderes.

 

Sobre o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que o considera um homem "muito inteligente e muito carismático", mas sem experiência, porque, segundo ele, "não levou um Ministério em sua vida" e há vários assuntos sobre os quais "não tem posição". Da chanceler alemã, Angela Merkel, disse que, "quando ela se deu conta do estado de seus bancos e de sua indústria automobilística, não teve outra opção do que se unir a minha posição", disse.

 

No caso de Zapatero, Sarkozy informou a seus convidados que o governo espanhol tinha anunciado a supressão da publicidade nas televisões públicas. Imediatamente depois, perguntou com ironia: "e sabem a quem citaram como exemplo?", em referência a ele mesmo como promotor da ideia.

 

Ainda com Zapatero como exemplo, afirmou que "pode ser que não seja muito inteligente", e acrescentou, sem citar nomes, que ele conhece alguns "que eram muito inteligentes e que não estavam no segundo turno das presidenciais", em clara alusão ao ex-primeiro-ministro francês Lionel Jospin.

 

"Em minha carreira política, ganhei de gente sobre quem se dizia que era mais inteligente e estava mais preparada que eu", acrescentou Sarkozy. Para ele, primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, é um exemplo a seguir. A grande conclusão de Sarkozy foi que "o importante na democracia é ser reeleito. Olhem Berlusconi, foi reeleito três vezes".

Tudo o que sabemos sobre:
FrançaNicolas Sarkozy

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.