Parlamento italiano aprova imunidade para Berlusconi

Apesar dos protestos da oposição, medida que impede processos contra o premiê recebe aprovação final

Reuters,

22 de julho de 2008 | 17h48

O parlamento italiano aprovou uma lei nesta terça-feira, 22, concedendo ao primeiro-ministro Silvio Berlusconi imunidade a processos judiciais, uma vitória ao bilionário conservador que há muito se queixa da perseguição de procuradores "tendenciosos". Apesar dos protestos da oposição centro-esquerdista, o Senado deu sua aprovação final à legislação que impede processos criminais contra as quatro principais autoridades eleitas da Itália, incluindo o premiê, enquanto estiverem no cargo.   Críticos dizem que a lei foi feita sob medida para livrar o magnata da mídia de 71 anos de dores de cabeça, como o caso de corrupção contra ele e o advogado britânico David Mills, em Milão.   "Os cidadãos têm o direito de saber se o seu primeiro-ministro é ou não um criminoso", disse o parlamentar de centro-esquerda Antonio Di Pietro, um ex-magistrado que atuou no combate à corrupção.   Anna Finocchiaro, líder do Partido Democrático no Senado, disse que a legislação elevou Berlusconi a um status próximo ao de um monarca. Mas aliados dizem que a medida permitirá às principais autoridades do país, que incluem também o presidente e os líderes de ambas as Casas do parlamento, governar sem distrações legais.   A lei deve ser assinada pelo presidente da Itália, Giorgio Napolitano, e publicada no diário oficial do país para entrar em vigor.  

Tudo o que sabemos sobre:
ItáliaBerlusconi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.