Parlamento sérvio também não reconhece independência de Kosovo

Decisão aprovada em apoio ao governo pede saída diplomática para crise entre Sérvia e sua ex-província

Efe,

26 de julho de 2010 | 20h53

 

BELGRADO- O Parlamento sérvio aprovou nesta segunda-feira, 26, a determinação do governo de rechaçar a autoproclamada independência de Kosovo e pedir apoio internacional para continuar negociando uma saída diplomática para o conflito.

 

Após um intenso debate de quase duas horas, 192 deputados votaram em favor da proposta de estratégia do governo e 26 se pronunciaram contra, respaldando os planos de Belgrado após a Corte Internacional de Justiça (CIJ) considerar legal a proclamação de independência kosovar em 2008.

 

Parte da oposição nacionalista pediu demissão após o "fracasso" no processo da CIJ, enquanto a oposição liberal pediu mudanças políticas.

 

A posição governamental respaldada hoje pelo Parlamento mantém que a Sérvia nunca reconhecerá, implícita nem explicitamente, a independência de sua ex-província do sul.

 

As autoridades sérvias anunciaram uma intensa atividade diplomática para defender a integridade territorial e a soberania da Sérvia.

 

Belgrado irá propor à Assembleia Geral da ONU uma resolução para encontrar uma solução mediada aceitável pelas duas partes para a crise.

 

O documento apoiado hoje pelo Legislativo se refere a uma solução que possibilite uma reconciliação histórica dos povos sérvio e albanês e a paz e a estabilidade da região.

 

Ele também admite que a decisão da CIJ dificulta os esforços da Sérvia, mas ressalta a determinação de fazer o possível para conseguir apoio internacional para a causa.

 

O presidente sérvio, Boris Tadic, declarou ao Parlamento que a Sérvia debaterá "com todos os parceiros no mundo" sobre a futura resolução que proporá a ONU.

 

"Este é um momento difícil para a Sérvia. É necessário manter a calma, mas também a determinação. A Sérvia continua considerando que o direito internacional foi violado e que os albaneses kosovares não tiveram direito a secessão" disse o ministro de Exteriores, Vuk Jeremic, ao Parlamento.

 

Jeremic afirmou que a ofensiva diplomática se centrará agora em prevenir reconhecimentos da independência de Kosovo.

 

Até agora, 69 países, entre eles os Estados Unidos e a maioria de membros da União Europeia, deram seu apoio à soberania kosovar, enquanto países como Espanha, Rússia, China, Brasil e Índia se recusaram a fazê-lo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.