Partido a favor de resgate lidera pesquisa na Grécia

O partido Nova Democracia (ND), favorável ao pacote de resgate internacional à Grécia, está à frente dos radicais de esquerda Syriza contrários à ajuda na campanha para a eleição parlamentar de 17 de junho que pode decidir se o país afundado em dívidas vai permanecer no euro, mostrou uma pesquisa nesta quinta-feira.

ANDREW OSBORN, REUTERS

31 Maio 2012 | 07h50

A pesquisa, da Data RC, mostrou o apoio aos conservadores do ND em 24,5 por cento, ante 22,1 por cento para o Syriza, que deseja a permanência da Grécia na zona do euro mas rejeita o pacote internacional e as medidas de austeridade relacionadas.

A pesquisa foi realizada nacionalmente entre 28 e 30 de maio.

Sem contar os eleitores indecisos e os que não iriam votar se a eleição fosse realizada hoje, a mesma pesquisa mostrou que o ND teria 28,4 por cento contra 25,6 por cento do Syriza. No total, sete partidos conseguiriam cadeiras no Parlamento.

O resultado da eleição do próximo mês --que terá implicações para a zona do euro como um todo-- permanece bastante em aberto, uma vez que diferentes pesquisas nos últimos dias tiveram resultados altamente contraditórios.

Entre três sondagens divulgadas na quarta-feira, uma mostrou empate entre o ND e o Syriza. Outra colocou o ND à frente e uma terceira sugeriu que o partido de esquerda Syriza venceria as eleições, se elas ocorressem agora.

As previsões contraditórias estão inquietando os mercados e os políticos que temem que a vitória do partido radical Syriza force a saída da Grécia da moeda única de forma desordenada, e possivelmente caótica.

Preocupados com o crescimento da dívida em outros países da zona do euro, como Espanha e Portugal, algumas autoridades europeias temem que uma saída desordenada da Grécia deflagre um efeito dominó, minando a confiança na moeda única no momento em que o bloco enfrenta dificuldades para defender sua credibilidade.

A Grécia foi forçada a convocar a votação em 17 de junho depois que a eleição parlamentar de 6 de maio dividiu por igual o Parlamento entre grupos de partidos que apoiam e os que se opõem às medidas de austeridade condicionadas ao pacote de resgate de 130 bilhões de euros aprovado com os credores em março.

O fracasso subsequente de qualquer partido em formar um governo de coalizão que funcionasse e o sucesso do Syriza, que ficou em segundo lugar, repercutiram na Europa e colocou em xeque o futuro da Grécia na moeda única.

Mais conteúdo sobre:
GRECIA ELEICOES PESQUISA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.