Partido do governo assegura vitória folgada nas eleições turcas

Com mais de 96% dos votos apurados, partido AKP vence os militares e ultranacionalistas

Efe

22 Julho 2007 | 18h56

Com 96,9% dos votos apurados, o governante Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP), do primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan, obteve uma vitória esmagadora nas eleições gerais da Turquia, com 46,8% dos votos, frente aos 34,28% que haviam sido obtidos em 2002. Desta forma, o AKP consegue superar os temores de uma "islamização" do país, espalhados pela oposição laicista e pelas forças ultranacionalistas. Os resultados definitivos serão divulgados na segunda-feira, mas a situação deste domingo não deverá ter mudanças significativas. Desta forma, três partidos políticos, além de 23 candidatos independentes, passarão a compor a Grande Assembléia Nacional (Parlamento). O AKP poderá governar confortavelmente sozinho, pois, embora com 15 deputados a menos do que os 356 atuais, superará o mínimo de 276 deputados requerido para a maioria absoluta. Uma multidão se concentrou hoje diante da sede do AKP, em Ancara, para comemorar um resultado previsto apenas pelas pesquisas mais otimistas. O segundo partido representado no plenário é, ao mesmo tempo, o grande perdedor do dia: o laicista Partido Republicano do Povo (CHP), que obteve 20,8% dos votos. Na realidade, o CHP não soube capitalizar o medo de um suposto programa de islamização do AKP, apesar de contar com o apoio de uma influente instituição: o Exército turco. A maioria dos analistas políticos atribuiu o baixo apoio ao CHP ao histórico do Exército, que já realizou três golpes de estado desde 1960. O papel dos militares Desta vez, no entanto, a população considerou que devia defender o partido no Governo, e que os militares não deveriam se intrometer na vida política do país. As Forças Armadas interferiram na política em abril, com uma advertência ao AKP, por querer impor como candidato à Presidência da República o ministro de Assuntos Exteriores Abdullah Gül, considerado "mais um elemento no programa de islamização do Governo".   Com a vitória do AKP, o partido do primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan deve perder alguns dos 356 deputados que possui atualmente no Parlamento. As projeções apontavam que o AKP poderia ficar com até vinte cadeiras a menos, mas superaria com facilidade os 276 deputados necessários para a maioria absoluta.   A terceira maior representação no Parlamento ficará a cargo dos ultranacionalistas do Partido da Ação Nacionalista (MHP), com cerca de 14,6% dos votos. O mínimo necessário para um partido político obter representação parlamentar na Turquia é de 10% dos votos em nível nacional.

Mais conteúdo sobre:
Turquia Eleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.