Partido polonês usa cartaz com mulheres nuas em campanha

A medida pretende atrair votos para o Partido das Mulheres e criticar a presença massiva de homens na política

BBC

25 de setembro de 2007 | 15h22

A campanha política para as eleições parlamentares na Polônia esquentou esta semana depois que o recém-lançado Partido das Mulheres divulgou um cartaz que mostra sete mulheres nuas.   A medida inusitada é a estratégia do partido de oposição para atrair votos e criticar a realidade política atual do país, marcada pela presença masculina em massa nos principais cargos políticos.   Com a imagem das mulheres nuas, escondidas atrás do slogan "A Polônia é uma mulher", o partido defende a maior participação feminina na política e promete implantar medidas para melhorar as condições de vida das mulheres.   "Queremos contrariar a idéia de que a política é suja e por isso usamos a nudez, que simboliza a limpeza. Além disso, também queremos mostrar que somos capazes de fazer qualquer coisa, até de ficarmos nuas, para defender o direito das mulheres", afirma Catajina Cruell, membro do partido, em entrevista à BBC Brasil.   "As mulheres estão cada vez mais ativas no país, mas ainda não encontraram seu papel central na política. Isto é uma contradição", afirma.   Indignação   Fundado pela escritora Manuela Gretkowska em fevereiro de 2007, o Partido das Mulheres já conta com cinco mil membros e espera angariar pelo menos 5% das cadeiras do Parlamento nas eleições do dia 21 de outubro.   O cartaz causou a indignação de partidos conservadores e da Igreja Católica. O Partido Lei e Justiça, da coalizão do governo, disse que a campanha política da oposição foi "um insulto aos eleitores".   Gretkowska rebateu as críticas, argumentando que a campanha não tem nada a ver com sexo ou pornografia, e que as mulheres estampadas nele são "inteligentes, orgulhosas e compromissadas".   A plataforma política do partido inclui propostas para a equiparação salarial entre homens e mulheres, a expansão de um programa social destinado à saúde infantil, além de medidas que "terão efeito imediato" no dia-a-dia das mulheres, como define Catajina Cruell.   "Queremos que as mulheres tenham direito de falar abertamente sobre o aborto, o que atualmente é proibido", afirma. A última pesquisa de opinião realizada no país deu ao partido 3% das intenções de voto, abaixo dos 5% dos votos necessários para chegar ao Parlamento.   Sondagens paralelas, no entanto, indicam que cerca de 60% das mulheres polonesas estariam dispostas a dar seu voto para o Partido das Mulheres.

Tudo o que sabemos sobre:
Polônianudezmulheres

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.