Partidos britânicos entram em choque sobre futuro da economia

Primeiro ministro afirma que Partido Conservador pode acabar com recuperação econômica

ADRIAN CROFT, Reuters

27 de março de 2010 | 15h20

O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, afirmou neste sábado que o oposicionista Partido Conservador irá arruinar a recuperação econômica do país caso ganhe as eleições gerais, que devem ocorrer daqui a algumas semanas.

 

O partido de centro-direita rebateu que, se a Grã-Bretanha não agir rapidamente para cortar seu enorme déficit orçamentário, pode enfrentar o mesmo destino da endividada Grécia, que sofre com o alto custo de empréstimos e greves gerais.

 

Brown, do Partido Trabalhista, que está atrás nas pesquisas eleitorais mas vem diminuindo a vantagem do Partido Conservador, estabeleceu cinco promessas para o pleito que, segundo ele, pode moldar o futuro do país nas próximas décadas.

 

"A Grã-Bretanha enfrenta a maior decisão a ser feita por uma geração", disse em discurso a militantes de seu partido no futurístico "parque da inovação" da Universidade de Nottingham, na região central da Inglaterra.

 

Brown afirmou que o Partido Trabalhista irá assegurar a recuperação econômica, cortar o déficit pela metade, proteger serviços-chave, desenvolver uma economia high-tech e criar um milhão de empregos qualificados caso ganhe um quarto mandato.

 

Já o líder do Partido Conservador, David Cameron, em discurso em Milton Keynes, também na região central do país, disse que o maior risco à economia seria demorar muito para lidar com o déficit. O Partido Trabalhista planeja cortar o déficit pela metade em quatro anos, mas os conservadores querem uma ação mais rápida.

 

"Veja o que aconteceu na Grécia ... se não agirmos, e agirmos rápido, o mesmo pode acontecer conosco", disse Cameron.

Tudo o que sabemos sobre:
inglaterra, partidos, economia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.