Partidos gregos pró-resgate retomam liderança--pesquisas

O partido conservador da Grécia Nova Democracia recuperou a liderança nas pesquisas de opinião, o que permitiria a formação de um governo pró-resgate comprometido em manter o país na zona do euro, segundo novas pesquisas divulgadas neste sábado.

REUTERS

26 Maio 2012 | 13h19

A Grécia foi obrigada a convocar uma nova eleição para 17 de junho, depois que a votação de 6 de maio deixou o Parlamento dividido entre partidos que apoiam e que se opõem às condições de austeridade associadas ao pacote de resgate de 130 bilhões de euros, acertado com a União Europeia (UE) e o Fundo Monetário Internacional (FMI) em março.

Pesquisas divulgadas neste sábado mostraram que partidos pró e anti-resgate estão numa disputa acirrada antes da votação, que poderá determinar o futuro do país no bloco monetário.

Mas cinco novas pesquisas publicadas na imprensa do país neste fim de semana mostraram que o Nova Democracia, que apoia o resgate, ganhou a liderança por 0,5 a 5,7 pontos sobre o partido esquerdista anti-resgate SYRIZA.

O SYRIZA informou que negará o acordo de resgate do país, que levou a desemprego recorde e severos cortes salariais.

Mas credores do país como a Alemanha alertaram que se o país tomar tal ação, eles cortarão o financiamento. Isso levaria o país a uma bancarrota caótica e possivelmente o forçaria a deixar o euro.

O Nova Democracia teria entre 25,6 por cento e 27,7 por cento dos votos se a eleição fosse realizada hoje, de acordo com pesquisas do Eleftheros Typos/Pulse, Proto Thema/Alco, Real News/MRB, To Vima/Kapa e Ethnos/MARC. SYRIZA teria entre 20,1 e 26 por cento dos votos.

De acordo com pesquisas do Pulse e MARC, o Nova Democracia e o segundo maior partido pró-resgate, o socialista PASOK, ganhariam uma maioria combinada parlamentar de 11 a 16 assentos no Parlamento de 300 lugares do país.

(Reportagem de Harry Papachristou)

Mais conteúdo sobre:
GRECIA PESQUISA PRORESGATE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.