AP
AP

Pay-per-view pornô do marido ameaça ministra britânica

Prestação de contas de Jacqui Smith ao Parlamento incluía filmes adultos pagos com o dinheiro público

Agências internacionais,

30 de março de 2009 | 11h50

O futuro político da ministra do Interior do Reino Unido, Jacqui Smith, foi colocado em dúvida depois que seu marido, Richard Timney, admitiu ter comprado filmes pornográficos no serviço de televisão pay-per-view com o dinheiro dos contribuintes britânicos.

 

Jacqui se desculpou no fim de semana por ter pedido ao Parlamento o reembolso de despesas pelos filmes comprados pelo marido. Amigos dizem que a ministra não estava em casa quando os filmes foram assistidos e que ela teria "passado um pito" no marido. A imprensa britânica afirma que a ministra não assistiu aos filmes e teria se sentido "furiosa" e "envergonhada" ao saber que os vídeos foram pagos "erroneamente" em suas despesas.

 

Segundo a BBC, o caso veio à tona em meio às discussões em uma comissão parlamentar de planos para a revisão do sistema pelo qual os deputados prestam suas contas (no Reino Unido, os ministros precisam ser membros do Parlamento). Jacqui disse que as despesas com a TV haviam sido enviadas em conjunto com suas despesas com conexão à internet e confirmou que sua prestação de contas continha um erro. A ministra pretende devolver o dinheiro aos cofres públicos.

 

Smith já vinha sendo criticada sobre o uso de dinheiro público para pagar por uma segunda casa. Esse tipo de despesa é legal, mas tem como objetivo financiar a estada na capital, Londres, de deputados de outras partes do país, para que possam comparecer às sessões do Parlamento. Mas Smith estaria recebendo uma ajuda de custo oficial para a casa de sua família apesar de morar com sua irmã em Londres.

 

O escritório da ministra submeteu a fatura de US$ 95 por serviços de televisão que incluíam os dois filmes pornôs, adquiridos no sistema de pay-per-view por US% 7 cada, assim como "13 Homens e Um Novo Segredo" e "Surf's Up", um desenho infantil sobre um pinguim.

 

O premiê britânico, Gordon Brown, defendeu Jacqui. "A ministra do Interior está fazendo um excelente trabalho e não penso que essa questão permita que tudo o que ela tem feito pela segurança da população e da nossa vizinhança seja desacreditado", afirmou. "Este é um problema muito pessoal para Jacqui. Ela já pediu desculpas publicamente, seu marido também deixou claro que se desculpava" pelo incidente.

Tudo o que sabemos sobre:
Reino Unido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.