Pelo menos 10 morrem em meio a protestos e atentado em região curda na Turquia

Pelo menos dez pessoas morreram no leste da Turquia quando homens armados abriram fogo contra policiais e também em um protesto de curdos, que estão revoltados com o cerco de uma cidade de população da mesma etnia na Síria por militantes radicais islâmicos, o que levou a confrontos com outros grupos no sudeste da Turquia, disse a mídia local nesta sexta-feira.

HUMEYRA PAMUK E AYLA JEAN YACKLEY, REUTERS

10 de outubro de 2014 | 08h04

Intensos combates continuaram na cidade fronteiriça curda síria de Kobani, onde um cerco de mais de três semanas por parte de combatentes do Estado Islâmico enfurece a minoria curda da Turquia, formada por mais de 15 milhões de pessoas.

Os curdos da Turquia pressionam o governo para que intervenha militarmente e evite a tomada de Kobani pelos militantes islâmicos.

A província fronteiriça de Gaziantep, no sudeste, foi palco dos piores casos de violência durante a noite, quando quatro pessoas foram mortas e 20 ficaram feridas em confrontos armados entre grupos que se manifestam em solidariedade com Kobani e outros que se opõem a eles, de acordo com a mídia local.

Pelo menos 25 pessoas foram mortas desde o início da semana desde que a violência irrompeu na Turquia durante manifestações pró-Kobani em cidades e vilas em todo o país.

Tudo o que sabemos sobre:
TURQUIAPROTESTOSCURDOSSIRIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.