Pesquisa mostra maior apoio aos conservadores no Reino Unido

Partido Conservador tem 45% de apoio, maior índice dos últimos 15 anos; Partido Trabalhista tem apenas 32%

Efe,

16 de dezembro de 2007 | 10h54

O Partido Conservador britânico, principal da oposição, recebeu o maior apoio entre os cidadãos em 15 anos, enquanto o governo trabalhista do primeiro-ministro Gordon Brown está desmoralizado, afirma neste domingo o jornal The Sunday Times. Uma pesquisa sobre intenções de voto feita pela firma YouGov para o jornal concede aos "tories" 45% do apoio, uma alta de quatro pontos percentuais a respeito do mês anterior, enquanto a preferência pelo Partido Trabalhista caiu três pontos, para 32%. O Partido Liberal-Democrata (terceira formação política britânica) teve queda de um ponto no apoio, para 14%. A YouGov entrevistou 1.500 pessoas em todo o país entre 13 e 14 de dezembro. O Sunday Times afirma que o primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, enfrenta uma "crise de moral" por causa da queda do apoio nas pesquisas publicadas nos últimos meses. Segundo o dominical, o Banco da Inglaterra quer fazer reformas no sistema bancário britânico, mas não pode colocá-las em andamento porque o governo está muito desmoralizado para tomar medidas. O governador da autoridade monetária britânica, Mervyn King, quer reformas para evitar uma nova crise como a do Northern Rock, banco que há algumas semanas teve problemas de liquidez. Segundo o jornal, Brown e o ministro da Economia britânico, Alistair Darling, não podem se concentrar neste assunto porque "a moral no governo é muito baixa". As mulheres são as que mais estão abandonando o Trabalhismo a favor dos "tories" de David Cameron, mostra a pesquisa. A queda do apoio a Brown começou depois da decisão, em outubro, de não convocar eleições gerais antecipadas, situação que se uniu à crise do Northern Rock e à polêmica por causa da perda de arquivos que continham dados pessoais de milhões de britânicos.

Tudo o que sabemos sobre:
Reino UnidoPartido Conservador

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.