Reuters
Reuters

'Pior cenário' está ocorrendo na Síria, diz presidente turco

Troca de disparos entre países marca a mais grave série de incidentes na fronteira desde início da revolta

Reuters

08 de outubro de 2012 | 18h32

GUVECCI, TURQUIA - O presidente da Turquia, Abdullah Gul, disse nesta segunda-feira, 8, que os "piores cenários" estão se desenrolando na Síria, e que a Turquia fará o que for necessário para se proteger. Pelo sexto dia consecutivo, os militares turcos retaliaram a Síria por disparos na fronteira.

Gul disse que a violência no país vizinho, onde conflitos entre forças do regime e rebeldes opositores ao presidente Bashar Assad deu origem a uma guerra civil que ameaça envolver potências regionais, não pode durar indefinidamente, e que a queda de Assad é inevitável. "Os piores cenários estão ocorrendo neste momento na Síria . Nosso governo está em constantes consultas com os militares turcos. Tudo o que é necessário está sendo feito imediatamente, e continuará a ser feito", disse Gul.

"Haverá uma mudança, uma transição mais cedo ou mais tarde . É uma obrigação para a comunidade internacional tomar medidas efetivas antes que a Síria se torne um desastre maior e mais sangue seja derramado, e esse é o nosso maior desejo", afirmou ele em Ancara.

As Forças Armadas turcas reforçaram nos últimos dias sua presença nos 900 quilômetros de fronteira com a Síria e estão reagindo contra disparos que atinjam seu território.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que a escalada do conflito na fronteira turco-síria e o impacto da crise no Líbano são "extremamente perigosos". "A situação na Síria piorou dramaticamente. Ela está representando um sério risco à estabilidade dos vizinhos da Síria e à região inteira", disse Ban numa conferência em Estrasburgo, na França.

Ban afirmou que o enviado da ONU e da Liga Árabe à Síria, Lakhdar Brahimi, vai voltar nesta semana à região.

A troca de disparos entre a Turquia e a Síria marca a mais grave série de incidentes na fronteira desde o início da revolta síria, em março de 2011. "A partir de agora, todo ataque contra nós será respondido imediatamente. Cada ataque que alvejar nossa soberania e a segurança das nossas vidas e propriedade encontrará sua resposta", disse o porta-voz governamental Bulent Arinc após uma reunião do gabinete.

O Parlamento turco autorizou na semana passada a mobilização de tropas além das suas fronteiras, mas autoridades disseram que o objetivo disso é a dissuasão, e não um "mandato de guerra". "A Turquia vai decidir por conta própria quando a situação exige os atos mencionados na moção que o Parlamento aprovou na semana passada. Ninguém deveria pensar que a guerra vai se seguir a uma aprovação parlamentar , mas somos mais sensíveis por nossa independência e soberania do que a maioria dos países", disse Arinc.

A agência de notícias Dogan disse que cerca de 25 aviões foram enviados a uma base aérea em Diyarbakir, maior cidade do sudeste turco, e citou fontes militares segundo as quais isso tinha ligação direta com operações transfronteiriças de combate ao terrorismo na Síria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.