Plano de 'grande sociedade' dará poder ao povo, diz Cameron

Programa de governo junta propostas convergentes dos Conservadores e dos Liberias Democratas

estadão.com.br

18 Maio 2010 | 12h26

LONDRES - A nova coalizão entre Conservadores e Liberais Democratas revelou nesta terça-feira um programa de "grande sociedade" que tem como intenção "tirar poder dos políticos e dá-lo ao povo".

 

Segundo o jornal britânico The Guardian, o documento de três páginas estabelecendo novas políticas acordadas pelos dois partidos é construída sobre o acordo de coalizão entre David Cameron e Nick Clegg e foi descrito como o primeiro pedaço de um "programa de governo compreensivo" publicado até agora.

 

Os planos incluem a introdução de um programa nacional de serviço civil para pessoas com 16 anos de idade, reformas no sistema de planejamento para dar à comunidade mais controle sobre seu desenvolvimento, permitir que funcionários do setor público formem cooperativas e dar ao público acesso a arquivos do governo.

 

Cameron falou sobre a "grande sociedade" durante sua campanha eleitoral e está fortemente comprometido com a ideia de que cidadãos devam ter mais poderes, mesmo que alguns Conservadores sentirem que o tema não era do interesse dos eleitores.

 

Mas essa é uma das áreas onde as crenças de Cameron coincidem com a filosofia dos Liberais Democratas, e parece ter sido relativamente fácil para os dois partidos concordarem em um programa conjunto nesta área.

 

Nick Hurd, o líder dos Conservadores e no ministro para Sociedade Civil, será encarregado de tocar a agenda. Ele será assistido por Nat Wai, o fundador do programa de graduação de ensino, Teach First, que trabalhará como conselheiro do governo na "grande sociedade".

 

Ao anunciar o programa em um evento em Downing Street, Cameron disse: "Durante a campanha eleitoral eu estendi um convite a todos nesse país para se juntar ao governo britânico. Eu disse que a ideia de uma grande sociedade marcharia pelos corredores do poder - e está acontecendo agora. Hoje é o começo de uma profunda e séria reforma que tiraria poder dos políticos e daria às pessoas."

 

"Isto porque sabemos instintivamente que o Estado não é por vezes muito humano, é monolítico e ineficiente para combater nossos problemas sociais mais graves. Nós sabemos que as melhores ideias vêm de baixo para cima, e não o contrário."

 

Sabemos que quando você dá às pessoas e às comunidades mais poder sobre suas vidas, mais poder para se juntar e trabalhar juntas para tornar a vida melhor - grandes coisas acontecem", disse Cameron.

 

Clegg, o vice primeiro-ministro, disse: "Nós precisamos de mudanças radicais que coloquem o poder de volta nas mãos das pessoas. Somente derrubando interesses pessoais e dando real poder à população de controlar suas vidas é que conseguiremos construir um Reino Unido justo".

 

Para encorajar o trabalho voluntário, o governo irá lançar um "dia da grande sociedade" nacional. É esperado também o envolvimento de alguns trabalhadores civis no trabalho comunitário, com o envolvimento comunitário se tornando "um elemento chave da máquina do serviço civil".

 

Outras políticas no programa envolvem:

• A criação de uma nova geração de organizadores comunitários

• A fundação de grupos de bairros através de um Banco da Grande Sociedade, usando dinheiro de contas bancárias dormentes

• Forçar a polícia a publicar detalhes e estatísticas sobre crimes locais

• Revisão das finanças dos governos locais, e dar aos conselhos competência no poder

 

Nos próximos dias a coalizão irá publicar programas de políticas que cubram outras áreas. Juntos, irão formar a agenda principal do novo governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.