Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Polícia alemã prende suspeito de publicar vídeo da Al Qaeda

País tem sido ameaçado por organização terrorista às vésperas das eleições; policiamento foi reforçado

Reuters e Efe,

25 de setembro de 2009 | 10h53

A Polícia da Alemanha anunciou nesta sexta-feira, 25, a prisão um homem turco de 25 anos suspeito de ter postado na internet um vídeo no qual a organização terrorista Al Qaeda ameaça o país às vésperas das eleições, que ocorrem no domingo, 27.

 

Por meio de comunicado, a Polícia da cidade de Stuttgart indica que o suspeito não teve ligação com a produção do vídeo, embora já tenha sido alvo de investigações. "O turco é conhecido pelas autoridades como um membro da atividades islâmica, e já foi o foco de algumas investigações policiais", diz o comunicado. "Na busca em seu apartamento, investigadores recolheram inúmeras evidências de seu envolvimento com a publicação do vídeo. O suspeito, desempregado e que vivia sozinho, aparentemente atuava intensamente em plataformas da internet", conclui a nota.

 

No vídeo, o membro da Al Qaeda Bekkay Harrach ameaça cometer atentados na Alemanha. Este foi o quinto vídeo dos terroristas nas últimas duas semanas, e um deles inclui a convocação dos islamitas alemães a se juntarem à jihad, a guerra santa. As imagens também mostram o marroquino exigindo a retirada das tropas da alemãs do Afeganistão e dizendo que o objetivo não é atingir o país europeu e sim "recrutar novos membros".

 

O governo da Alemanha manteve o mesmo nível de alerta, com presença policial reforçada em aeroportos, estações e outros lugares públicos. As autoridades de segurança dos EUA e do Reino Unido emitiram um comunicado de alerta aos cidadãos que se encontram em território alemão. Berlim insiste que se tratam de "ameaças abstratas" e na quinta-feira o ministro de Exteriores, Frank-Walter Steinmeier, disse que não havia necessidade de emitir tais comunicados para os estrangeiros no país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.