Polícia francesa detém suspeito por pacote-bomba em Paris

Homem de cerca de 40 anos havia ameaçado o gabinete; uma pessoa morreu e cinco foram feridas na explosão

Efe, REUTERS

07 de dezembro de 2007 | 08h18

A polícia francesa deteve um suspeito de ligação com o pacote-bomba que explodiu em um escritório de advocacia de Paris na quinta-feira, 5, matando uma secretária e ferindo outras cinco pessoas, informou uma fonte da polícia nesta sexta-feira. O homem, que tinha cerca de 40 anos, é um arquiteto que no passado já havia perturbado um dos advogados do escritório alvo da bomba, disse a fonte. Um busca estava sendo realizada na casa do suspeito. A fonte informou que a polícia também estava procurando a mulher que fez a entrega do pacote no prédio.  O escritório de advocacia em que o presidente Nicolas Sarkozy trabalhou fica no mesmo edifício, no número 52 do Boulevard Malesherbes, mas a polícia afirma que não há indícios de nenhuma ligação com a explosão.   Segundo a BBC, o prédio também é sede do escritório da Fundação do Holocausto, mas, novamente, parece não existir uma ligação entre o escritório e a explosão.

Tudo o que sabemos sobre:
FrançaParisatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.