Polícia portuguesa busca corpo de Madeleine em lago

Novo chefe de investigações diz que novos locais serão incluídos nas buscas pela menina britânica

Ansa,

15 de outubro de 2007 | 11h20

A Polícia Judiciária portuguesa iniciou as buscas pelo corpo de Madeleine McCann em um lago na região da cidade de Praia da Luz, no sul de Portugal, onde a menina britânica desapareceu há cinco meses.   Veja Também Falhas no caso Madeleine Cronologia    Os agentes policiais iniciaram as inspeções em um perímetro de 16 quilômetros ao redor da região em que os pais se hospedaram durante as férias com a família. As operações de busca também serão realizadas em um denso bosque próximo ao lago Barragem da Bravura, e em várias habitações próximas.   Segundo o chefe da investigação policial, Paulo Rebelo, essa zona não foi investigada detalhadamente nos dias posteriores ao desaparecimento de Madeleine.   Segundo informou a edição desta segunda-feira, 15, do jornal português Correio da Manhã, o "meticuloso" Rebelo ordenou reforços para sua equipe de policiais, os quais deverão prestar "especial atenção" à área que rodeia o lago, de um perímetro de 40 mil metros localizado a cerca de 25 quilômetros de Praia da Luz.   Também serão realizadas inspeções em locais ao sul do hotel de Ocean Club onde ficaram os McCann, incluindo as praças de Praia da Luz e de Burgau, especialmente os lugares onde o grupo britânico utilizou seus telefones celulares.   De acordo com a imprensa britânica, estas são as últimas investigações mais importantes do caso nos últimos meses. Os detetives haviam inspecionado na semana passada o quarto de Madeleine e o restaurante onde os McCann e um grupo de amigos jantaram na noite do desaparecimento.   "Qualquer ampliação da área na busca traz esperanças e as damos boas-vindas. Parece que há mais vigor nessa direção do caso e isso é alentador", declarou uma fonte próxima aos McCann. Além disso, destacou que será "uma tragédia" para a família se a polícia achar o corpo da garota, ainda que servirá para acabar com as dúvidas sobre o paradeiro de Madeleine.   "Se ela está morta, então saberemos que morreu, e não esta angústia do mistério", acrescentou.   Outra fonte próxima aos McCann negou as notícias deste fim de semana publicadas pela imprensa britânica, sobre supostas pegadas com sangue no apartamento em Ocean Club.   "Parece mais com uma novela de Agatha Christie que outra coisa. Não implica que haja alguém culpável, já que existem muitas razões pelas quais pegadas deste tipo poderiam ser achadas", esclareceu.   Além disso, o jornal Daily Telegraph indicou nesta segunda que os pais de Madeleine, os médicos Kate e Gerry McCann, poderão seguir sendo os únicos suspeitos formais do caso pelo menos durante mais um mês.

Tudo o que sabemos sobre:
Madeleine McCann

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.