Polícia sabe há um mês que Madeleine está morta

Segundo jornal, autoridades portuguesas já descartaram o seqüestro da menina britânica desaparecida

Efe,

07 de agosto de 2007 | 10h00

A Polícia Judiciária portuguesa (PJ, equivalente à Polícia Federal) sabe há um mês que a menina britânica Madeleine McCann morreu na noite em que foi dada por desaparecida e por isso descartou definitivamente a hipótese de seqüestro, segundo o jornal português Diário de Notícias publicou nesta terça-feira, 7, citando fontes da investigação. O jornal diz que as suspeitas iniciais sobre os pais da menina ganharam mais força agora e a certeza da morte de Madeleine abriu um novo caminho de investigação, mais concentrada no casal McCann e seu círculo mais próximo. Segundo o Diário de Notícias, as versões contraditórias de pais, parentes e amigos sobre o fato contribuíram para aumentar as dúvidas sobre a teoria de um seqüestro. A morte aconteceu - por homicídio, acidente ou negligência - no quarto em que a família McCann passava as férias em um complexo turístico no balneário da Praia da Luz, no sul de Portugal. Foram esses novos indícios que levaram a Portugal agentes britânicos; em colaboração com a Polícia portuguesa, eles rastrearam a área com cães adestrados para farejar corpos. Os cachorros permitiram descobrir restos de sangue no quarto do casal. As amostras estão sendo analisadas e o resultado deverá ser divulgado nos próximos dias. Enquanto isso, a imprensa portuguesa comenta que a atitude de Gerry e Kate mudou radicalmente na segunda-feira e eles preferiram se esconder dos jornalistas. Antes, eles procuravam a mídia para dar entrevistas e informações que mantivessem o interesse no caso. O jornal Público diz que as autoridades vigiam vários amigos dos McCann na Inglaterra e que eles provavelmente serão convocados a depor novamente em Portugal nos próximos dias. A PJ informou que segue de perto um homem de nacionalidade britânica. Segundo a imprensa portuguesa, ele foi visto com os pais de Madeleine antes do desaparecimento da menina e depois com o único suspeito do caso, Robert Murat. Com a virada nas investigações, o advogado de Murat reiterou a possibilidade de que o cliente faça uma denúncia contra o Estado português quando o caso for encerrado e comprovar sua inocência. A PJ inspecionou na segunda-feira vários veículos de parentes e amigos de Murat, assim como o carro utilizado pelos McCann durante a estada em Portugal. No Reino Unido são oferecidos mais de 4 milhões de euros por pistas que ajudem a encontrá-la, mas as inúmeras denúncias que chegaram à Polícia a partir de vários países não jogaram nenhuma luz sobre o caso. Madeleine McCann desapareceu em 3 de maio quando dormia com os seus dois irmãos gêmeos de dois anos enquanto os pais jantavam com amigos em um restaurante próximo, segundo a versão divulgada até agora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.