Polícia turca confronta curdos; bomba fere 12

A polícia disparou jatos de canhões d'água e gás lacrimogêneo no confronto com manifestantes curdos no sudeste da Turquia neste sábado, enquanto militantes em outras partes da região detonaram uma bomba que feriu 12 policiais.

Reuters

14 de julho de 2012 | 13h29

Membros curdos do Parlamento foram flagrados no tumulto enquanto policiais e manifestantes duelavam nas ruas na principal cidade da região, Diyarbakir, onde o Partido Paz e Democracia, que é pró-curdo, planejava um comício.

O governador da província se recusou permitir à legenda realizar a manifestação, planejada como parte do pedido de libertação do líder militante do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), Abdullah Ocalan.

A manifestação coincidiu com o primeiro aniversário da declaração de "autonomia democrática" por políticos curdos, e também exatamente um ano depois de guerrilheiros do PKK terem matado 13 soldados em um ataque em Diyarbakir.

Enquanto os conflitos de rua continuavam em Diyarbakir, militantes do PKK detonaram uma bomba por controle remoto em uma estrada, ferindo 12 policiais que saíram de um veículo no leste turco, disseram fontes de segurança.

O ataque ocorreu do lado de fora de uma estação de tiros da polícia na província de Van, que faz fronteira com o Irã. Não havia informações de que os policiais feridos estejam em estado grave.

(Reportagem de Seyhmus Cakan)

Tudo o que sabemos sobre:
TURQUIAATAQUESCURDOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.