Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Polícias europeias detêm 88 membros de máfias do continente

Maiores detenções ocorreram na Espanha e na Itália; criminosos também foram presos na Áustria, na Alemanha, na Suíça, na França

Efe,

15 de março de 2010 | 09h00

Um total de 88 pessoas foram detidas em operação contra o crime organizado do Leste da Europa e da Itália realizada em vários países do continente, informaram nesta segunda-feira, 16, fontes das polícias espanhola e italiana.

 

Na Espanha, foram detidas 24 pessoas em várias províncias, a maioria delas da Geórgia, em uma operação coordenada pela Audiência Nacional espanhola e dirigida pela Unidade contra a Droga e o Crime Organizado (Udyco) da Espanha.

 

Também participam da operação na Espanha outras forças de segurança, como a Polícia da região da Catalunha, já que a maior parte das detenções está sendo realizada nessa comunidade autônoma do país. Além disso, segundo as mesmas fontes, policiais também atuam em outras regiões da Espanha, como em Madri e no País Basco.

 

Os detidos são acusados por lavagem de dinheiro, extorsão, narcotráfico e posse ilegal de armas. Outras prisões dessa megaoperação ocorreram na Áustria, na Alemanha, na Suíça, na França e na Itália.

 

Cosa Nostra

 

Na Itália, a polícia deteve 19 pessoas supostos integrantes do clã dirigido por Matteo Messina Denaro, considerado o "chefe dos chefes" da Cosa Nostra, a máfia siciliana.

 

Entre os detidos está Salvatore Messina Denaro, irmão do mafioso, e outros familiares, todos eles acusados de formação de quadrilha, extorsão, cumplicidade com o crime organizado e atividades criminosas da "família" mafiosa. A operação policial na qual participaram 200 policiais foi realizada na comuna de Castelvetrano, local de nascimento de Messina Denaro.

 

As detenções ocorrem depois da operação de junho passado, quando foram detidas outras várias pessoas acusadas de ter protegido Messina Denaro durante sua clandestinidade. Segundo os investigadores, alguns dos detidos levavam as mensagens de Messina Denaro com ordens a seus seguidores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.