Polônia pede convocação de cúpula da UE sobre Ossétia do Sul

Solana, representante da UE, mantêm contato com as partes em conflito e com representantes da comunidade

Efe

09 de agosto de 2008 | 12h12

O ministro de Assuntos Exteriores polonês, Radoslaw Sikorski, pediu a convocação de uma cúpula extraordinária da União Européia (UE) para abordar o conflito entre a Rússia e a Geórgia pela crise na região separatista georgiana da Ossétia do Sul.   Veja também: Medvedev diz a Bush que Geórgia deve retirar exército Rússia ataca cidade da Geórgia fora da região de conflito Conflito na Geórgia cresce em outra província separatista Presidente georgiano propõe fim imediato das hostilidades Medvedev anuncia ofensiva russa para 'impor a paz' à Geórgia Entenda o conflito separatista na Geórgia Assista ao vídeo no Youtube  Professor comenta a situação no Cáucaso  Galeria de fotos do conflito    Sikorski disse neste sábado, 9, que pediu à Presidência da UE - nas mãos da França - a realização de uma cúpula dos líderes do bloco. O ministro polonês afirmou que sua proposta foi recebida por Paris, e acrescentou que tem a impressão de que a reunião será realizada.   O alto representante para Política Externa e Segurança Comum da UE, Javier Solana, deve manter contatos por telefone com o presidente da Ucrânia, Victor Yushchenko, e com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.   Solana também pretende falar durante os próximos dias com o presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, que anunciou a entrada de tropas russas na Ossétia do Sul a fim de "impor a paz".   O alto representante da UE e sua equipe mantêm contatos com as partes em conflito e com representantes da comunidade internacional.   Desde o início das hostilidades na Ossétia do Sul esta semana, Solana manteve contatos, entre outros, com o presidente georgiano, Mikhail Saakashvili, com a ministra de Assuntos Exteriores do país, Eka Tkeshelashvili, e com o ministro de Exteriores russo, Serguei Lavrov.   Tanto o alto representante da UE quanto a Comissão Européia e a Presidência do bloco pediram o fim imediato da violência na Ossétia do Sul e chamaram ao diálogo entre as partes.   Medvedev e Bush   O presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, informou neste sábado, 9, ao líder americano, George W. Bush, sobre as "selvagens" ações da Geórgia contra a população da Ossétia do Sul e as tropas de paz russas.   Durante uma conversa telefônica entre os dois líderes, Medvedev cifrou em "milhares os mortos e em dezenas de milhares os refugiados" por causa dos bombardeios indiscriminados da artilharia e da aviação georgianas na região separatista da Ossétia do Sul.   O presidente russo se referiu à "violação do direito de existir de todo um povo" por parte de Tbilisi, segundo um comunicado do Kremlin.   "Dadas as circunstâncias, a Rússia tem diante de si uma única tarefa: o fim imediato da violência, a defesa da população civil, da qual a maioria são cidadãos russos, e o breve restabelecimento da paz", disse.   Medvedev defendeu o papel das tropas russas de paz na Ossétia do Sul e afirmou que a única saída para o conflito está na retirada das forças georgianas da Ossétia do Sul, o retorno à mesa de negociações e a assinatura de um acordo de não agressão.   O chefe do Kremlin "expressou sua esperança de que os EUA e outros países interessados na estabilidade e segurança do Cáucaso atuem na mesma linha", acrescenta a nota.   Na conversa por telefone, realizada por iniciativa do líder americano, Bush expressou sua profunda inquietação com a situação na área, e pediu que as partes evitem uma escalada do conflito.   Além disso, ofereceu sua ajuda para que as partes envolvidas retornem à mesa de negociações.   Agência Judaica   A Agência Judaica para Israel, organização destinada a promover a emigração judaica para este Estado, está ajudando os judeus da Geórgia a sair da área de conflito, informou neste sábado, 9, a imprensa local.   A Agência Judaica para Israel está ajudando a retirar os judeus residentes na cidade de Gori, próxima à fronteira com a Ossétia do Sul, e levá-los para a capital da Geórgia, Tbilisi, informou o jornal Yedioth Ahronoth em sua versão na internet.   Segundo a fonte, a organização abriu um escritório especial para reunir e divulgar informação sobre a situação e a localização dos membros da comunidade judaica na Geórgia.   Os combates na região independentista da Ossétia do Sul foram iniciados na noite da quinta-feira, quando as tropas georgianas bombardearam a capital, Tskhinvali.   A Rússia lançou uma contra-ofensiva em defesa dos separatistas e enviou reforços à Ossétia do Sul para apoiar as tropas de paz e defender os cidadãos russos, que são maioria na região.

Tudo o que sabemos sobre:
GeórgiaOssétia do SulRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.