Polônia poderia ter escudo antimísseis em 4 anos, diz estatal

Maior empresa do país deu declaração após desistência americana de instalar bases em território polonmês

Efe,

22 de setembro de 2009 | 11h24

O chefe da empresa estatal polonesa de armamentos Bumar, Edward Nowak, afirmou nesta terça-feira, 22, que a companhia, a maior do ramo na Polônia, é capaz de desenvolver um escudo antimísseis em quatro anos, sem a ajuda dos EUA, que na semana passada desistiram de instalar baterias antiaéreas no país.

 

Em declarações à rádio pública nacional, Nowak ressaltou que a Bumar já dispõe de um terço dos elementos necessários para criar um sistema capaz de detectar e impedir ataques balísticos lançados por países inimigos.

 

"Apesar de tudo, ainda não temos os dois elementos mais importantes: foguetes de curto e médio alcance do tipo Mica e Aster, e novas plataformas de lançamento, já que os combates atuais requerem que elas sejam móveis", disse Nowak.

 

Segundo a imprensa nacional, o ministro da Defesa da Polônia, Bogdan Kilch, já conhece os detalhes do projeto, cujo custo passaria de US$ 5 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.