Por espionagem, Alemanha pode rever contratos com empresas norte-americanas

Empresas norte-americanas como a Cisco, que administra grande parte dos dados das forças armadas alemãs, devem ser proibidas por contrato de passar informações confidenciais para os serviços de segurança dos Estados Unidos, teria dito um porta-voz dos conservadores da chanceler Angela Merkel.

Reuters

21 de dezembro de 2013 | 12h26

A revista alemã Focus citou neste sábado Hans-Peter Uhl, porta-voz parlamentar sobre política interna dos conservadores, como tendo dito que deve se exigir por contrato que a Cisco não repasse dados sensíveis à NSA (Agência Nacional de Segurança).

Ele disse que o governo alemão quer monitorar as empresas dos EUA mais de perto no futuro.

Uma porta-voz do governo se recusou a comentar a reportagem da Focus.

Relatos anteriores de que a NSA grampeou telefones e emails na Europa, incluindo o celular de Merkel, causaram revolta na Alemanha, onde permanecem vivas as lembranças de monitoramente invasivo da Stasi, a polícia secreta durante o governo comunista da Alemanha Oriental.

Na sexta-feira o presidente dos EUA, Barack Obama, tentou chegar a um meio termo nas questões sobre práticas de vigilância da NSA, dizendo que algumas verificações do sistema são necessárias, mas que "não podemos nos desarmar unilateralmente".

(Por Michelle Martin)

Tudo o que sabemos sobre:
ALEMANHAESPIONAGEMEUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.