Por François Murphy

O presidente da França, Nicolas Sarkozy,prometeu na sexta-feira levar adiante em 2008 seus planos dereformular as relações com a Otan e criar a UniãoMediterrânea. Em discurso de ano novo a diplomatas, Sarkozy apresentou asprioridades para 2008, ano em que a França ocupará aPresidência da União Européia. Ele disse que pretende fortalecer a segurança continental etambém citou áreas que lhe causaram problemas em 2007, como opolêmico convite para que o líder líbio, Muammar Khadaffi,visitasse a França e a pressão, junto com os EUA, por novassanções ao Irã, "Com relação ao Irã e seu programa nuclear, vocês conhecema posição da França. Nada aconteceu desde então que tenha melevado a modificar minha avaliação e, portanto, a abordagem daFrança", disse ele. "Nosso objetivo não é uma mudança de regime, mas, pelocontrário, a inserção do Irã em sua região como um atorpositivo, desde que respeite o direito internacional", afirmouSarkozy, defendendo "firmeza" e sanções, mas com a manutençãodo diálogo. Sarkozy fez uma estréia positiva no cenário internacional,logo depois de eleito, em maio, quando ajudou a alcançar umacordo para a reforma das instituições da UE, durante umacúpula em junho. Desde então, porém, vem sendo duramente criticado pelaoposição e por grupos de direitos humanos por sua aproximaçãocomercial com países como China e Líbia. Sarkozy voltou a defender a visita de Khadaffi à França emdezembro, a primeira em 34 anos, alegando que se tratava de umarecompensa que deve servir de exemplo para que outros paísesabandonem a busca por armas nucleares. (Reportagem adicional de Emmanuel Jarry)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.