Prefeito belga proíbe funcionários de usar 'roupa gay' para lidar com público

Para Bart de Wever, funcionários públicos devem se vestir de forma neutra

Efe,

02 de fevereiro de 2013 | 12h25

BRUXELAS - O prefeito da cidade belga de Antuérpia, Bart de Wever, afirmou que os funcionários da administração municipal que lidam com o público não podem usar véu islâmico ou roupas que os identifiquem como homossexuais.

"Qualquer forma de expressão está limitada", afirmou De Wever em entrevista publicada pelo jornal "De Standaard". "Uma mulher pode usar um véu islâmico? Sim. Mas não quando estiver em um guichê de atendimento. As pessoas que são as caras da cidade de Antuérpia devem se manter neutras", alegou o líder conservador do partido Nova Aliança Flamenga (N-VA), que defende a independência da região de Flandres.

O líder nacionalista disse que não tem nada contra os homossexuais, mas insistiu que um funcionário que trabalha com o público não deve mostrar este tipo de identificação.

"Não quero que uma pessoa que use uma camisa com o arco íris se sente em um guichê. Porque um homossexual mostra claramente, por este símbolo, qual orientação (sexual) tem. E outras pessoas o reconhecem", explicou.

"Um cidadão de Antuérpia não tem que saber que o funcionário do guichê é um muçulmano ou homossexual que vota no (partido flamengo extremista e xenófobo) Vlaams Belang", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.