Yves Herman/ Reuters
Yves Herman/ Reuters

Prefeito de Londres tem coisas mais importantes a fazer do que responder Trump, diz porta-voz

Sadiq Khan preferiu não comentar as críticas que recebeu do presidente norte-americano sobre suas declarações após o atentado terrorista na capital britânica

O Estado de S.Paulo

04 de junho de 2017 | 11h55

O prefeito de Londres, Sadiq Khan, afirmou neste domingo, 4, que tem coisas mais importantes para fazer do que responder ao tweet do presidente norte-americano, Donaldo Trump, criticando suas declarações sobre o atentado realizado na noite deste sábado. 

"O prefeito está ocupado. Tem coisas melhoreas para fazer do que responder a um tweet desinformado de Donald Trump, que saca deliberadamente do contexto suas declarações instando aos londrinos para não se alarmarem caso vejam mais policiais, incluídos os armados, nas ruas", declarou um porta-voz de Khan. 

Na manhã seguinte ao ataque terrorista, o qual matou sete pessoas e deixou outras 48 feridas, na Ponte de Londres e no Borough Market, Trump publicou em sua conta oficial na rede social uma mensagem irônica sobre a fala do político britânico. "Pelo menos sete mortos e 48 feridos e o prefeito de Londres diz que 'não há razão para ficarmos alarmados!"

 


O líder já havia se pronunciado acerca do combate ao terrorismo na noite do sábado, 3, momentos depois do atentado. Na mesma rede social, Trump citou seu controverso decreto para barrar a entrada de cidadãos de países com maioria islâmica, o "travel ban". "Precisamos ser inteligentes, vigilantes e duros. Nós precisamos que as cortes devolvam nossos direitos. Nós precisamos da proibição de entrada (de muçulmanos) como um nível a mais de segurança", colocou. 

O presidente também ofereceu auxílio ao governo britânico após o atentado. "Qualquer coisa que os Estados Unidos possam fazer para ajudar Londres e o Reino Unido, nós estaremos lá. Estamos com vocês. Que Deus os abençoe", completou Trump.

 


 


 


O líder também aproveitou para criticar quem é contra a política de armamento pessoal praticada pelo país. "Vocês já prestaram atenção que não estamos tendo um debate sobre armas agora? Isso é porque eles (os terroristas) usaram facas e uma van!"

 


/COM INFORMAÇÕES DA AGÊNCIA AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.