Prefeito pede calma após violência em subúrbio de Paris

O prefeito de uma pequena cidade perto de Paris pediu calma, nesta segunda-feira, após dezenas de jovens terem entrado em confronto com a polícia durante a madrugada, depois de dois adolescentes terem morrido em um acidente com um carro de polícia.   Os distúrbios, que duraram cerca de seis horas, começaram depois que dois garotos, de 15 e 16 anos, morreram quando a moto em que estavam se chocou contra o carro da polícia. A polícia de Villiers-le-Bel nega que estivesse perseguindo os dois jovens. Segundo os policiais, os dois estavam sem capacete e também haviam cometido uma infração de trânsito. "Faço um apelo a todos os habitantes, e especialmente aos jovens, para que a gente possa voltar à calma em nossa cidade", disse Didier Vaillantes, prefeito da cidade de Villiers-le-Bel, ao norte de Paris. "Desde ontem nós estamos de luto. Na última noite, a cidade sofreu", disse ele à emissora de televisão I-tele. Cerca de 20 policiais e bombeiros ficaram feridos nos confrontos da madrugada, disseram autoridades. A delegacia de polícia da cidade pegou fogo, e a da cidade vizinha, Arnouville-les-Gonesse, foi saqueada. Fontes policiais disseram que o tumulto no domingo começou com dois adolescentes, de 15 e 16 anos, que estavam em uma moto roubada sem capacetes. "Não foi uma perseguição, mas aparentemente um acidente de trânsito", disse um policial. Um sindicato policial disse que a moto estava na faixa de trânsito errada, mas a imprensa francesa disse que várias testemunhas contestam essa informação.   As manifestações relembram os casos de violência em 2005 nos subúrbios de Paris, quando milhares de carros foram incendiados após dois adolescentes terem sido eletrocutados e mortos depois de terem aparentemente fugido da políciaNesta segunda-feira, os serviços de trem em toda a França voltaram a funcionar normalmente, quatro dias após trabalhadores em greve terem concordado em voltar ao trabalho. O impasse causado pela insatisfação dos operários com os planos de reforma pensionista representou o maior desafio para o presidente Nicolas Sarkozy desde que tomou posse, em maio. "Há um retorno ao normal em todas as nossas linhas", disse uma porta-voz da operadora estatal de trens SNCF. O transporte público em Paris foi totalmente restabelecido durante o fim de semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.