Prejuízo com revolta na Grécia pode chegar a centenas de milhões

Os distúrbios dos últimos dias na Grécia custaram à economia do país centenas de milhões de euros em negócios perdidos, danos e pagamento de seguros. Cinco dias de violência destruíram centenas de lojas, abalaram a confiança do consumidor e jogaram uma sombra sobre o turismo, que representa cerca de um quinto do produto interno bruto grego. Uma greve geral nesta quarta-feira, planejada há tempos, agravou a situação. "O custo dos estragos apenas em Atenas é estimado em cerca de 200 milhões de euros", disse Vassilis Korkidis, vice-presidente da Confederação Nacional do Comércio, segundo a qual 565 estabelecimentos comerciais foram atingidos na capital. "A confiança dos comerciantes e dos consumidores chegou ao fundo do poço." O governo grego prometeu nesta quarta-feira compensação financeira para os comerciantes afetados pelas turbulências, além de alívio nas taxas e maior facilidade para empréstimos. "Os distúrbios terão um impacto negativo sobre a confiança do consumidor e os gastos no varejo, o mercado está paralisado há cerca de uma semana", disse o economista Platon Monokroussos, do EFG Eurobank. "Tudo isso está criando uma atmosfera que não é boa para o turismo no longo prazo. A percepção dos turistas estrangeiros sobre segurança na Grécia está definitivamente atingida de modo negativo, em um período difícil para o turismo em razão da crise global." Milhares de gregos tomaram as ruas de várias cidades do país numa manifestação de revolta pública pela morte de um adolescente pela polícia no fim de semana. Muitos já estavam descontentes com a situação econômica e com reformas no sistema previdenciário no país. A greve geral provocou a suspensão dos vôos e fechou bancos e escolas nesta quarta-feira. Houve tumultos pelo quinto dia consecutivo, quando um protesto de sindicalistas contra a política econômica e social terminou em violência. Representantes do setor hoteleiro disseram que a violência afugentou os hóspedes. "Tivemos muitos cancelamentos", disse um funcionário de um hotel de luxo de Atenas que pediu para não ser identificado. "Esse foi um grande revés para nós. Dezembro não tem sido um bom mês, e agora as coisas estão piores." As companhias de seguros também deverão ter de cobrir perdas de receitas para os negócios que foram paralisados. "A compensação será de dezenas de milhões. Ainda não temos o número final", disse Doukas Paleólogos, diretor-executivo da National Insurance e vice-presidente do sindicato das companhias de seguros gregas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.