Premiê britânico tenta atrair eleitores com promessa de corte de impostos

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, prometeu pressionar por cortes de impostos caso seja reeleito no ano que vem, um compromisso que ele espera que ajude a redirecionar o debate para longe das preocupações sobre a Europa dentro de seu partido, e a conquistar milhões de eleitores.

ANDREW OSBORN E WILLIAM JAMES, REUTERS

01 de outubro de 2014 | 11h37

Falando no congresso de seu partido, o Conservador, o último antes da eleição nacional em maio do ano que vem, Cameron disse querer garantir a maioria para que a legenda possa governar sozinha, e não em coalizão, como é o caso agora.

Ele prometeu tirar 1 milhão de trabalhadores de esquemas tributários caso reeleito, permitindo que ganhem mais dinheiro antes de pagarem imposto de renda. Ele também prometeu aliviar o fardo sobre a classe média alterando a faixa de incidência do imposto de renda.

“Eu quero adotar medidas que há tempo já deveriam ter sido tomadas e trazer de volta alguma justiça aos impostos”, disse Cameron a delegados partidários.

“Com os Conservadores, se você trabalhar duro e fizer a coisa certa, dizemos que você deve ficar com mais de seu próprio dinheiro e gastá-lo como preferir."

O custo total de implementar os cortes tributários será de 7,2 bilhões de libras (11,65 bilhões de dólares) por ano até abril de 2020, disseram assessores de Cameron.

A promessa do premiê foi uma aposta calculada para tentar atrair eleitores e mudar a estratégia, que estava focada no dano feito pelo Partido Independência (Ukip), de orientação anti-União Europeia, às suas chances de reeleição.

Horas antes do discurso de Cameron, Arron Banks, empresário cujos registros eleitorais mostram ter doado milhares de libras para o partido de Cameron, disse que vai passar a apoiar o Ukip.

Sua escolha seguiu a de dois legisladores Conservadores que também mudaram para o Ukip, partido que busca a saída imediata da Grã-Bretanha da UE e grandes medidas contra a imigração, e que tem levantado temores no partido de Cameron de que possa dividir os votos de centro-direita e permitir que o partido de oposição, o Trabalhista, a vença as eleições.

Cameron prometeu renegociar as relações britânicas com a UE caso reeleito, antes de realizar um referendo sobre a permanência do país no bloco em 2017, mas tem sido arredio em explicar o que quer mudar - tornando alguns Conservadores céticos sobre sua determinação.

Tudo o que sabemos sobre:
GRABRETANHACAMERONUE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.