Premiê britânico tira fotógrafo de folha de pagamento do governo

O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, David Cameron, retirou seu fotógrafo pessoal da folha de pagamento do governo nesta terça-feira, quase duas semanas depois de a indicação ter causado reação de políticos e da mídia.

REUTERS

16 de novembro de 2010 | 14h47

Políticos da oposição questionaram a sensatez do Estado em pagar por um "fotógrafo da vaidade" para o primeiro-ministro, numa época em que centenas de milhares de empregos do setor público deverão ser cortados, como parte de medidas de austeridade.

Numa viagem à China e à Coreia do Sul na semana passada, Cameron decidiu reverter a decisão de contratar um ex-fotógrafo do Partido Conservador, Andrew Parsons, disse uma fonte de seu gabinete na sede do governo britânico.

"O primeiro-ministro percebeu que isso enviou um sinal errado num momento difícil", disse o porta-voz de Cameron.

Ex-executivo de relações públicas, Cameron tem a reputação de lidar bem com a mídia. A indicação, porém, fez os jornais o acusarem de insensibilidade para com as questões públicas.

O Sunday Times afirmou que a indicação de Parsons foi o primeiro grande "furo" de Cameron.

A coalizão entre conservadores e liberal-democratas tem promovido amplos cortes nos gastos do governo a fim de reduzir um déficit orçamentário recorde.

(Por Tim Castle)

Tudo o que sabemos sobre:
GRABRETANHAFOTOGRAFO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.