Premiê espanhol pede à população que confie nos agentes de saúde, após caso de Ebola

Premiê espanhol pede à população que confie nos agentes de saúde, após caso de Ebola

Mais uma enfermeira foi internada com suspeita de contágio da doença

REUTERS

08 de outubro de 2014 | 11h09

O primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy, pediu nesta quarta-feira que a população se tranquilize e que deixe os profissionais de saúde trabalharem depois que mais uma enfermeira foi internada em um hospital por precaução após a contaminação de uma colega com o Ebola.

As autoridades confirmaram nesta quarta-feira que uma enfermeira que também trabalhou atendendo dois missionários falecidos está em observação no hospital Carlos III de Madri depois de apresentar uma febre persistente.

O premiê, em suas primeiras declarações desde que tomou conhecimento do caso de contágio do vírus, pediu confiança nos responsáveis pela saúde e prometeu "transparência total" na hora de oferecer informação à opinião pública.

"Neste momento o que temos que fazer é estar atentos e manter a tranquilidade", disse Rajoy durante uma sessão no Congresso em resposta à interpelação do líder socialista, Pedro Sánchez.

Rajoy afirmou que foi criado um comitê de acompanhamento para garantir a coordenação entre os responsáveis da comunidade autônoma de Madri, do governo federal e das instituições europeias, com as quais disse falar todos os dias.

"Peço que deixem os profissionais de saúde trabalharem, que confiemos neles, têm um prestígio merecido. A saúde espanhola é uma das melhores do mundo", declarou o chefe de governo.

A enfermeira infectada atendeu dois religiosos espanhóis contaminados com o Ebola no oeste da África que foram repatriados em agosto e setembro e faleceram no hospital Carlos III.

A Espanha se tornou o centro das atenções da comunidade médica internacional desde a confirmação do primeiro contágio do vírus do Ebola fora do oeste africano.

(Por Emma Pinedo e Raquel Castillo)

Tudo o que sabemos sobre:
ESPANHAEBOLAPREMIE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.