Premiê turco nega que haja sanções contra o norte do Iraque

O primeiro-ministro turco, TayyipErdogan, disse nesta quinta-feira que as sanções econômicasdecididas contra grupos que apóiam rebeldes curdos ainda nãoentraram em vigor, assim como uma suposta interdição do espaçoaéreo turco a vôos com destino ao norte do Iraque. A Turquia concentrou cerca de 100 mil soldados ao longo dafronteira com o Iraque, além de tanques, canhões e aviões,preparando uma possível incursão militar de grande escala nonorte do Iraque, algo que segundo Washington podedesestabilizar toda a região. Na quarta-feira, o gabinete turco aprovou sançõeseconômicas não-especificadas contra grupos tidos comoapoiadores da guerrilha separatista curda PKK. O maior alvodessas sanções supostamente seria o governo autônomo curdo donorte do Iraque, comandado por Masoud Barzani. A emissora NTV havia dito na quinta-feira que essas sançõesincluiriam uma proibição de vôos entre a Turquia e o norte doIraque. "Ouvi de vocês que o espaço aéreo foi fechado. Não hátal decisão", disse Erdogan a jornalistas. Questionado sobre a implementação das sanções, ele disse:"No momento não." Ancara acusa Barzani de fornecer abrigo e apoio aosmilitantes do proscrito Partido dos Trabalhadores do Curdistão(PKK), que usa o norte do Iraque como base para atacar asforças de segurança no sudeste da Turquia. Diplomatas dizem que a Turquia pode refrear grandes açõesmilitares e as sanções por enquanto, à espera da visita dasecretária norte-americana de Estado, Condoleezza Rice, nasexta-feira, e das conversas de Erdogan com o presidente GeorgeW. Bush na segunda-feira em Washington. A Turquia, que pertence à Otan, sabe que as sançõespoderiam acabar prejudicando tanto a sua própria economiaquanto a do norte iraquiano. Jornais turcos dizem que, além da proibição de vôos,poderia haver restrições ao trânsito no movimentado posto defronteira de Habur, suspensão parcial do fornecimento deeletricidade e cimento ao norte do Iraque e medidas contraempresas de Barzani que operam na Turquia. Na terça-feira, companhias aéreas disseram à Reuters que aautoridade turca de aviação civil negou à empresa de charterTarhan Tower, de Istambul, autorização para realizar dois deseus três vôos semanais para Arbil, a capital curda do norte doIraque. A Turquia culpa o PKK pela morte de quase 40 mil pessoasdesde que o grupo lançou sua campanha armada pela independênciada sua região, no sudeste turco, em 1984. EUA, União Européia ea Turquia consideram o PKK um grupo terrorista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.