Presidente alemão diz que país deve ter maior responsabilidade militar

A Alemanha deveria ter um papel militar mais ativo no exterior, disse o presidente Joachim Gauck em entrevista publicada neste sábado, pressionando o país a abandonar a relutância pós-guerra.

REUTERS

14 de junho de 2014 | 11h18

Sete décadas depois do fim da Segunda Guerra Mundial, o passado nazista da Alemanha faz com que ela permaneça hesitante em enviar tropas ao exterior, mesmo em missões de paz.

A maior economia europeia e quarta maior do mundo tem recebido críticas de aliados por não assumir um papel mais ativo. Gauck disse ter ouvido repetidamente tais apelos durante suas viagens.

"É isso que eu também quero da Alemanha," disse Gauck em entrevista ao Deutschlandradio Kultur após uma viagem à Noruega.

"Tenho a impressão que o nosso país deveria deixar a relutância das décadas passadas de lado, a favor de um forte senso de responsabilidade."

O papel do presidente é, principalmente, cerimonial, mas serve como uma autoridade moral na Alemanha.

"Às vezes é preciso pegar em armas para lutar pelos direitos humanos ou pela sobrevivência de inocentes," disse Gauck.

Em 2010, comentários feitos por um presidente anterior, Horst Koehler, justificando a ação militar para apoiar os interesses comerciais da Alemanha, provocaram críticas que levaram à sua renúncia.

(Reportagem de Annika Breidthardt)

Mais conteúdo sobre:
ALEMANHAPRESIDENTEMILITAR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.