Presidente alemão sofre novas críticas após pedido de desculpas

O Bild, jornal mais lido da Alemanha, disse nesta quinta-feira que planeja publicar uma transcrição potencialmente explosiva de uma mensagem deixada pelo presidente alemão, Christian Wulff, ao editor do jornal tentando impedir a publicação de uma reportagem constrangedora sobre um empréstimo imobiliário.

MADELINE CHAMBERS, REUTERS

05 de janeiro de 2012 | 14h04

Isso poderia prejudicar ainda mais a imagem de Wulff, que na quarta-feira foi à televisão tentar apaziguar o escândalo sobre um empréstimo particular contraído por ele e sobre sua suposta tentativa de pressionar o jornal a não divulgar o caso.

O escândalo pode prejudicar a chanceler Angela Merkel, que indicou Wulff para a presidência em 2010.

Sofrendo pressão para renunciar, Wulff deixou claro na quarta-feira que pretendia ficar no cargo, e até agora o apoio de Merkel garantiu sua segurança.

Ela está preocupada em evitar um debate prolongado e potencialmente conflitivo dentro de sua coalizão sobre um sucessor e, como sua maior patrocinadora, ela está vulnerável a acusações de mau julgamento.

A mídia alemã e parlamentares da oposição renovaram na quinta-feira os ataques a Wulff, que na entrevista televisiva admitiu ter cometido um erro grave ao ligar para o editor do Bild no mês passado e deixar uma mensagem ameaçadora em seu correio de voz.

Wulff disse que não tentou anular a reportagem, mas apenas adiar sua publicação em um dia para ter tempo para respondê-la.

O Bild rejeita isso e divulgou uma carta na quinta-feira do editor Kai Diekmann para Wulff, na qual ele busca consentimento para publicar uma transcrição da mensagem.

"Observamos com surpresa sua declaração na televisão de que sua ligação para a minha caixa postal não tentava impedir a (publicação da) reportagem sobre seu empréstimo imobiliário, mas sim adiá-la em um dia", escreveu Diekmann.

"A fim de acabar com o mal entendido sobre os motivos e o conteúdo de sua ligação, achamos ser necessário publicar a transcrição de sua mensagem".

"GUERRA"

A mídia alemã divulgou que Wulff havia ameaçado o Bild com uma "guerra" e consequências legais se o jornal publicasse a história.

Na reportagem, que o Bild publicou no mês passado, o jornal divulgou que Wulff havia recebido um empréstimo imobiliário em 2008 a taxas baratas da esposa de Egon Geerkens, um amigo e rico empresário, quando ele ainda era premiê do Estado da Baixa Saxônia.

O atual presidente está sendo acusado de ter enganado o parlamento estadual quando negou ter relações de negócios com Geerkens, e seus críticos dizem que ele pode ter infringido a lei ministerial.

Os alemães levam a sério o cargo de presidente. A pessoa no posto deve agir como uma autoridade moral para a nação, defendendo as leis constitucionais, inclusive um compromisso com a liberdade de imprensa. A chefia do governo, no entanto, fica com o chanceler, que atua como um primeiro-ministro.

O apoio público a Wullf caiu de 63 por cento para 47 por cento em questões de dias, mostrou uma pesquisa feita pela televisão ARD.

Tudo o que sabemos sobre:
ALEMANHAPRESIDENTEFOGO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.