Presidente bielo-russo ordena corte de gás russo para a Europa

A Rússia já havia cortado parte de seu fornecimento ao país vizinho, que está endividado com a Gazprom

Estadão.com.br

22 de junho de 2010 | 10h02

MINSK - O presidente da Bielo-Rússia Alexandre Lukashenko ordenou nesta terça-feira, 22, o corte de do transporte de gás russo para a Europa que passa por seu país, que se viu privado de uma parte do combustível por causa de uma briga financeira com Moscou, indicou o porta-voz do mandatário.

 

"O presidente bielo-russo ordenou o corte do transporte do gás russo através da Bielo-Rússia", declarou Pavel Liogki, de acordo com informações da agência de notícias AFP.

 

"As declarações dos dirigentes russos humilham o povo bielo-russo, que tem um dívida com a Gazprom, que por sua vez tem um dívida com a Bielo-Rússia", disse o presidente Lukashenko durante um encontro com o chanceler russo Serguei Lavrov.

 

A gigante do gás russo Gazprom anunciou que a partir desta terça reduzirá em 30% suas entregas de gás à Bielo-Rússia, devido a uma dívida não paga. Na segunda, já havia reduzido seu fluxo em 15%.

 

União Europeia

 

A Comissão Europeia pediu nesta terça para Rússia e Bielo-Rússia respeitaram suas "obrigações contratuais", segundo a AFP.

 

"Esperamos que o transporte de gás não seja afetado e que as obrigações contratuais sejam respeitadas", declarou à imprensa uma porta-voz da Comissão Europeia.

 

"Seguimos a situação e estamos em estreito contato com as autoridades da Rússia e da Bielo-Rússia", acrescentou a porta-voz, assegurando que "por agora" Bruxelas não dispõem de "nenhuma informação sobre os problemas de fornecimento nos Estados membros" da União Europeia.

 

Cerca de 6,25% do consumo total de gás da UE (equivalente a 20% das exportações de gás russo ao bloco) transita pela Bielo-Rússia, segundo a Comissão Europeia.

 

A porta-voz sublinhou que a Rússia pode desviar o fluxo destinado a Europa por outras vias. A maior parte do gás russo circula pela Ucrânia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.