Presidente da França defende liberdade de expressão após conflitos contra jornal no exterior

A charge de Maomé na primeira página do Charlie Hebdo indignou muitos no mundo muçulmano, desencadeando manifestações que se tornaram violentas na Argélia, Níger e Paquistão

LEIGH THOMAS, REUTERS

17 de janeiro de 2015 | 10h49

367777O presidente francês, François Hollande, disse neste sábado que os manifestantes anti-Charlie Hebdo em outros países não entendem o apego da França à liberdade de expressão.

Suas declarações foram dadas um dia após a publicação pelo jornal satírico de uma charge do profeta Maomé ter desencadeado violentos confrontos, incluindo mortes, em alguns países muçulmanos.

A demanda disparou pela primeira edição do Charlie Hebdo desde que dois militantes armados invadiram seu escritório e mataram 12 pessoas no início de três dias de violência que chocaram a França.

Distribuidores do jornal semanal disseram que sua tiragem foi elevada para sete milhões de cópias, superando a sua circulação normal de apenas 60 mil.

A charge de Maomé em sua primeira página indignou muitos no mundo muçulmano, desencadeando manifestações que se tornaram violentas na Argélia, Níger e Paquistão na sexta-feira.

"Temos apoiado estes países na luta contra o terrorismo", disse Hollande durante uma visita à cidade de Tulle, tradicionalmente seu reduto político.

"Ainda quero expressar minha solidariedade (para eles), mas, ao mesmo tempo, a França tem princípios e valores, em particular a liberdade de expressão", acrescentou.

Os tiroteios em Paris foram motivados pela publicação anterior de charges de Maomé pelo Charlie Hebdo, uma representação que muitos muçulmanos consideram uma blasfêmia.

A polícia disparou gás lacrimogêneo em Níger, neste sábado, em centenas de manifestantes que atiravam pedras em um segundo dia de confrontos sobre a publicação da imagem do Charlie Hebdo.

Um policial e três civis foram mortos na sexta-feira no Zinder, a segunda cidade da ex-colônia francesa, enquanto igrejas foram queimadas e lares cristãos saqueados.

Os protestos também se tornaram violentos na sexta-feira na cidade do sul do Paquistão de Karachi, onde a polícia usou gás lacrimogêneo e canhões de água contra os manifestantes do lado de fora do consulado francês.

"Há tensões no exterior, onde as pessoas não entendem o nosso apego à liberdade de expressão", disse Hollande. "Nós vimos os protestos, e eu diria que na França todas as crenças são respeitadas."

Produzida por sobreviventes do ataque ao jornal, a última edição do Charlie Hebdo esgotou em minutos quando chegou às bancas na quarta-feira. Ela mostra uma caricatura de um Maomé choroso com os dizeres "Je suis Charlie" (Eu sou Charlie) e sob as palavras "Tudo está perdoado."

(Reportagem adicional de Gregory Blachier)

Tudo o que sabemos sobre:
FRANCAPRESIDENTEEXPRESSAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.