Presidente da França e papa conversam sobre Europa e reféns

Conflitos no Oriente Médio e Farc são pauta do encontro inédito de Nicolas Sarkozy com Bento 16

REUTERS

20 de dezembro de 2007 | 13h18

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, encontrou-se nesta quinta-feira, 20, com o papa Bento 16 e conversou com o pontífice sobre os problemas enfrentados pela Europa e pelo Oriente Médio e sobre "o drama dos reféns". O papa e Sarkozy reuniram-se por cerca de 25 minutos a portas fechadas, dentro do gabinete do líder religioso. Durante a conversa, Sarkozy afirmou ao papa que o francês dele, aprendido em uma escola da Alemanha, era "notável". Segundo um comunicado do Vaticano, o encontro tratou principalmente do "futuro da Europa, dos conflitos no Oriente Médio, dos problemas sociais e políticos dos países africanos e do drama dos reféns". Recentemente, Sarkozy fez apelos defendendo a libertação da política colombiano-francesa Ingrid Betancourt e de outros reféns mantidos sob o poder de rebeldes colombianos. Antes de sair da Santa Sé, o presidente da França conversou com o secretário de Estado do Vaticano, cardeal Tarcisio Bertone, visitou a basílica de São Pedro e passou pela tumba do papa João Paulo 2o, localizada na cripta da igreja. Sarkozy viajou até Roma para ser empossado como cônego honorário da basílica de São João em Roma, a catedral do papa na sua condição de bispo da capital italiana. Os chefes de Estado franceses costumam receber o título desde que os reis da França realizaram grandes doações para a catedral, no século 15. Sarkozy deve reunir-se com o primeiro-ministro da Itália, Romano Prodi, e com o primeiro-ministro da Espanha, José Luis Rodríguez Zapatero, ainda na quinta-feira, à noite. Os meios de comunicação da Europa entraram em frenesi depois de surgirem notícias sobre Sarkozy, que é católico e divorciado duas vezes, estar saindo com a ex-modelo e hoje cantora Carla Bruni. Bruni não estaria em Roma.

Tudo o que sabemos sobre:
FrançaPapa Bento 16Nicolas Sarkozy

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.