Presidente da Turquia recusa-se a aprovar novo gabinete

O presidente da Turquia, que estádeixando o cargo, recusou-se na quinta-feira a aprovar o novogabinete do premiê Tayyip Erdogan, afirmando que oprimeiro-ministro deve submeter a lista ao próximo mandatário. Erdogan afirmou que a atitude do presidente Ahmet NecdetSezer foi "bastante positiva" na reunião entre os dois, e que aatitude deve ser encarada como uma cortesia ao sucessor. Sezer é um secularista convicto, que critica o partido AK,de Erdogan, que tem raízes islamitas, e várias vezes vetou suasleis e nomeações. Sezer deve se aposentar quando o Parlamentoturco eleger seu sucessor, ainda este mês. Erdogan afirmou que ficou surpreso com a decisão dopresidente, mas deixou claro não guardar mágoas. O AK obteveuma vitória decisiva nas eleições parlamentares de 22 de julho. O premiê deve trazer muitos novos nomes para o gabinete,principalmente para acelerar as reformas políticas e econômicasda Turquia. A votação indireta para presidente no Parlamentocomeça na segunda-feira. O AK indicou como candidato o ministro das RelaçõesExteriores, Abdullah Gul, que deve conquistar a Presidência aofim da terceira rodada de votação, no dia 28 de agosto, quandoprecisará apenas da maioria simples. O AK detém 341 das 550cadeiras da assembléia. Assim como Erdogan, Gul é um ex-islamita visto comdesconfiança pela poderosa elite laica da Turquia, que incluias Forças Armadas. Os militares ajudaram a atrapalhar aprimeira tentativa do AK de fazer Gul presidente, em maio. Amanobra obrigou Erdogan a convocar as eleições parlamentaresmeses antes do programado. (Reportagem de Hidir Goktas)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.