Pressionado por eleitores descontentes, Hollande admite arrependimentos

O presidente mais impopular da França em décadas disse nesta terça-feira que se arrepende de algumas coisas e compreende que os eleitores tenham dúvidas em um momento de crise, mas prometeu responder acelerando reformas para pôr o país nos trilhos.

INGRID MELANDER, Reuters

06 Maio 2014 | 09h40

Em uma nova tentativa de se reconectar com os eleitores descontentes, no segundo aniversário de sua eleição, François Hollande, aceitou ser entrevistado ao vivo por uma rádio durante uma hora, durante a qual foi questionado por ouvintes irritados com a elevada taxa de desemprego e os altos impostos no país.

O líder socialista, cuja popularidade caiu para níveis recordes de baixa por causa de impostos mais altos, desemprego galopante e divergências entre ministros, disse no programa transmitido pela rádio RMC e a TV BFM que entende que os eleitores tenham dúvidas quando o tempos são difíceis e pediu que seu julgamento seja feito no final de seu mandato de cinco anos.

"Eu tenho arrependimentos. Eu poderia ter sido mais rápido, poderia ter feito mais para alertar o povo francês sobre a gravidade da situação. Poderia ter reagido mais rapidamente em alguns debates" , disse ele em uma rara demonstração de arrependimento de um presidente ainda cumprindo o mandato.

Hollande quebrou mais um recorde de impopularidade em uma pesquisa da CSA publicada na segunda-feira, que mostrou que apenas um em cada cinco eleitores confia nele --a pontuação mais baixa registrada por um líder francês.

Mais conteúdo sobre:
FRANCA HOLLANDE ELEITORES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.