Simon Dawson/AP
Simon Dawson/AP

Pressionados, liberais democratas negociam coalizão no Reino Unido

Partido mantém conversas com conservadores e trabalhistas; Clegg diz que chegou 'fase final e crítica'

estadão.com.br

11 Maio 2010 | 10h40

LONDRES - Os líderes dos partidos Conservador e Liberal Democrata do Reino Unido se encontraram nesta terça-feira, 11, para discutir uma possível coalizão de governo depois das eleições do dia 6 de maio, da qual nenhum partido saiu com maioria absoluta no Parlamento, informou um membro conservador. O encontro ocorre poucos momentos depois de liberais democratas se reuniram também com líderes do partido Trabalhista.

Veja também:

linkLiberais se reúnem para definir apoio

especialEntenda as eleições no Reino Unido

 

O líder conservador, David Cameron, e o líder liberal democrata, Nick Clegg, se encontraram por cerca de uma hora antes de suas equipes de negociação iniciarem uma nova reunião. Na segunda-feira, os conservadores ofereceram um governo de coalizão com um referendo para alterar o sistema eleitora, condição imposta pelos liberais democratas para a formação de uma aliança.

 

Antes de seu encontro com Clegg, Cameron disse que chegou o "momento da decisão"

sobre a formação do novo governo. "Agora, acho, é o momento da decisão, momento de decisão para os liberais democratas, e eu espero que adotem a decisão correta de dar a este país um governo forte, estável que realmente o necessita e o necessita rapidamente", acrescentou.

 

Segundo ele, a "preocupação é ter um "bom governo que zele pelos interesses nacionais". "Há uma oferta muito aberta, razoável para que os Liberais democratas ajudem a criar um governo estável. Meus correligionários do Parlamento demonstraram que estão dispostos a deixar de lado os interesses partidários pelo interesse nacional ao oferecer um plebiscito sobre o Voto Alternativo (reforma eleitoral por um sistema mais representativo como pedem os liberais democratas)", ressaltou Cameron.

 

Antes, porém, a equipe de Clegg se encontrou com negociadores trabalhistas, aliados do primeiro-ministro Gordon Brown. Na segunda, o premiê ofereceu sua renúncia para facilitar a formação de uma aliança com o Partido Liberal Democrata.

 

Ed Miliband, negociador trabalhista, disse que as conversas com a equipe de Clegg se deram em "uma boa atmosfera". Ele disse que houve "vários pontos de acordo", mas admitiu que algumas diferenças têm de ser trabalhadas.

 

Pressionado por ambos os partidos maiores a fazer sua decisão sobre qual grupo apoiar, Clegg disse que as negociações chegaram em uma "fase final e crítica" e que os liberais democratas fariam sua parte para "criar um governo bom e estável". "Estou tão impaciente quanto qualquer um para levar isso adiante, resolver as coisas de um jeito ou de outro", disse Clegg.

 

Segundo o sistema eleitoral britânico, o partido que obtiver maioria absoluta no Parlamento tem o direito de apontar o primeiro-ministro. Como nenhum partido conseguiu tal situação, é preciso formar coalizões para garantir apoio e governabilidade. Clegg deu preferência às negociações com os conservadores, já que estes elegeram o maior número de membros na Casa dos Comuns, mas tem mantido conversas com ambos os grupos.

 

(Com informações das agências Efe, Reuters e BBC)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.