Primeira-ministra da Ucrânia ameaça romper com presidente

A crise política na Ucrânia aprofundou-sena quarta-feira quando a premiê Yulia Tymoshenko, ameaçouromper sua aliança com o presidente Viktor Yushchenko,acusando-o de minar o governo dela. Os dois aliados da revolução "Laranja", responsável porcolocar Yushchenko no poder, desentendem-se desde queTymoshenko se tornou primeira-ministra pela segunda vez, emdezembro passado. Mas os conflitos ganharam uma nova dimensão na terça-feira,quando simpatizantes da dirigente obrigaram Yushchenko adesistir de seu tradicional discurso anual no Parlamento. Essafoi a segunda vez que o presidente tentou, sem sucesso,realizar o pronunciamento neste ano. A economia do país, que enfrenta uma taxa de inflação cadavez maior e uma queda nos índices de crescimento,transformou-se em um dos terrenos de batalha entre Yushchenko,ex-presidente do banco central do país, e Tymoshenko, umaex-empresária do setor de gás hoje defensora de causas sociais. "Se a situação não melhorar no país, a primeira-ministranão poderá ser aliada e parceira do presidente", afirmouTymoshenko em um comunicado. "Humilhar seu próprio país e praticamente destruir naeconomia tudo o que estamos criando --isso não é uma formaadequada de lutar pela próxima eleição presidencial", disse aprimeira-ministra. O governo, empossado em dezembro, foi acusado porinstituições financeiras e analistas de realizar gastos"populistas" supostamente responsáveis por fazer com que ainflação anual chegasse a um recorde de 30 por cento em abril.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.