Primeiros ativistas do Greenpeace deixam a Rússia após prisão

Os primeiros de 30 ativistas do Greenpeace presos depois de um protesto contra a exploração de petróleo do Ártico deixaram a Rússia, informou o grupo ambiental nesta quinta-feira.

Reuters

26 de dezembro de 2013 | 17h40

Todos os ativistas deverão obter autorização para deixar a Rússia até sexta-feira.

O sueco de origem soviética Dima Litvinov cruzou a fronteira com a Finlândia depois de receber um carimbo de saída no seu passaporte. Outros 13 também obtiveram o selo que lhes permite sair, segundo o Greenpeace. O restante do "Ártico 30" deve completar o processo na sexta-feira.

"Agora vou para casa, para a minha cama, minha esposa, meus filhos e minha vida", afirmou Dima em comunicado. "Estou deixando a Rússia sentindo que ganhamos alguma coisa aqui."

O tratamento da Rússia aos 30 ativistas de 18 países, incluindo a brasileira Ana Paula Maciel, que passaram dois meses na prisão e enfrentaram acusações de vandalismo, gerou críticas pesadas de nações ocidentais e celebridades.

A anistia concedida a eles remove um empecilho nas relações de Moscou com o Ocidente. Críticos do Kremlin dizem que o ato é um movimento programado para melhorar a imagem da Rússia antes dos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi.

A Rússia diz que ativistas colocaram em perigo vidas e propriedades no protesto na plataforma de petróleo da empresa controlada pelo Estado Gazprom, no mar Pechora, um elemento-chave nos planos da Rússia para o desenvolvimento do Ártico.

O Greenpeace afirma que o embarque de autoridades russas em seu navio após o protesto era ilegal e alega que seus ativistas realizaram um protesto pacífico.

(Reportagem de Alexei Anishchuk)

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIAATIVISTASLIBERTADOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.