Prodi deixará presidência do Partido Democrata, diz legenda

Premiê teria dito em carta que decisão deixa claro que seu mandato não dependia do resultado eleitoral

Efe,

16 de abril de 2008 | 16h36

O Partido Democrata (PD) confirmou nesta quarta-feira, 16, que o primeiro-ministro interino italiano, Romano Prodi, escreveu durante a Semana Santa uma carta ao secretário-geral da legenda, Walter Veltroni, na qual comunicava seu desejo de abandonar a presidência do partido. Prodi disse nesta quarta-feira em Nova York que enviou uma carta a Veltroni - derrotado nas recentes eleições para primeiro-ministro da Itália - na qual dizia que seu mandato terminaria no dia do pleito e que assim o fez "para que ficasse claro que não dependia do resultado eleitoral." Veja também:Controverso e exibicionista, Berlusconi é eleito premiê da Itália As declarações de Prodi foram rapidamente divulgadas na Itália, o que levou o PD a confirmar a carta e explicar que Veltroni e o ainda primeiro-ministro interino falarão sobre esse assunto em breve com um "espírito de coesão e de grande unidade, como se viu nos últimos meses." Ainda não se sabe a data desse encontro, no qual, segundo fontes do partido, Veltroni pedirá a Prodi para que "pense de novo" sobre sua decisão. No dia 9 de março deste ano, Prodi, de 69 anos, anunciou em entrevista à televisão italiana que havia "acabado" para a política do país. "O futuro é sereno, tranqüilo, porque há coisas a construir. O mundo está cheio de oportunidades e deveres e há muita gente que espera uma palavra de paz e de ajuda", disse o chefe de governo interino. Romano Prodi foi eleito presidente do PD em outubro do ano passado durante a Assembléia Constituinte do partido, surgido da fusão entre os Democratas de Esquerda (DS) - herdeiro do Partido Comunista Italiano (PCI) - e do Margarida, de centro.

Tudo o que sabemos sobre:
Romano ProdiItália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.