Prodi submete governo italiano a teste decisivo

O primeiro-ministro italiano, RomanoProdi, decidiu na terça-feira submeter seu governo a um voto deconfiança depois de perder a maioria, com a deserção de umpartido aliado. O duro golpe contra o governo de Prodi foi dado nasegunda-feira por um ex-ministro, que retirou o apoio de seupartido e deixou o premiê sem maioria no Senado. A oposiçãopediu a renúncia de Prodi. O ministro da Economia, Tommaso Padoa-Schioppa, advertiuque a crise política veio no "momento menos apropriado parainterromper o trabalho em andamento", que visa a melhorar asfinanças públicas da Itália. Prodi ficou sem alternativa, senão renunciar ou submeter ogoverno a um voto de confiança -- pela 32a. vez desde que eleassumiu o poder, em 2006, após vencer o conservador SilvioBerlusconi nas eleições mais disputadas da história do país. "Só o Parlamento pode decidir o destino do governo", disseele à Câmara dos Deputados, onde conta com uma grande maioria.A votação na Câmara está prevista para quarta-feira, às 14h(horário de Brasília). No Senado, a votação acontece naquinta-feira, às 17h (horário de Brasília). Ali, mesmo antes dadeserção do ex-ministro da Justiça Clemente Mastella, ele sóvinha conseguindo ganhar com o apoio de senadores vitalícios. Prodi defendeu as conquistas do seu governo no controle dosgastos públicos, afirmando que ele colocou a Itália num patamarmais alto dentro a União Européia e no mundo diplomático emgeral. "Precisamos de continuidade acima de tudo num momento emque a economia do mundo enfrenta fatos negativos", disse ele. Se perder, Prodi será forçado a renunciar. E dessa vez serápara valer, não um blefe como o de fevereiro do ano passado, emque ele foi recolocado no cargo pelo presidente GiorgioNapolitano. O ex-presidente da Comissão Européia já teve um mandatocomo premiê abreviado em 1998, e descarta concorrer pelaterceira vez ao cargo. (Reportagem adicional de Robin Pomeroy, Deepa Babington,Phil Stewart e Giuseppe Fonte)

STE, REUTERS

22 de janeiro de 2008 | 15h42

Tudo o que sabemos sobre:
ITALIADESCONFIANCA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.