Projeções de voto no Reino Unido se mantêm estáveis após 2º debate

Conservadores têm pequena vantagem sobre liberais democratas e trabalhistas, segundo BBC

estadão.com.br

26 de abril de 2010 | 11h09

LONDRES - O impacto do segundo debate eleitoral no Reino Unido sobre as pesquisas de intenção de voto foi menor que o primeiro, segundo mostram os números levantados pela rede de notícias BBC nesta segunda-feira, 26. Segundo o estudo, as projeções de votos mantiveram-se estáveis em relação à semana passada.

 

De acordo com os números apresentados pela BBC, o partido conservador, cujo candidato a primeiro-ministro é David Cameron, tem 35% das intenções de voto, uma ligeira vantagem sobre os liberais democratas, liderados por Nick Clegg, que têm 29%. O partido trabalhista, do atual premiê Gordon Brown, aparece logo atrás, com 28% das intenções de voto. Os outros grupos políticos têm 10% das projeções.

 

Em relação às pesquisas do dia 19 de abril, divulgadas após o primeiro debate eleitoral televisionado da história do Reino Unido, os números se mantiveram estáveis. A ocasião, os conservadores tinham 33% das intenções de votos, contra os mesmos 29% e 28% dos liberais democratas e dos trabalhistas respectivamente.

 

O levantamento do dia 19, porém, foi apresentado como surpreendente na imprensa britânica. Apontado como vencedor do primeiro debate, realizado no dia 15, Nick Clegg elevou as projeções para os liberais democratas e fez o partido ultrapassar os trabalhistas nas intenções de voto.

 

De acordo com as enquetes da BBC, antes do primeiro debate, os liberais democratas tinham apenas 20% das intenções de voto, contra 31% dos trabalhistas e 37% dos conservadores. Desde o encontro entre Clegg, Brown e Cameron, porém, a projeções apontaram um crescimento dos liberais democratas.

 

Clegg foi novamente apontado como o melhor dos três no segundo debate, ocorrido no dia 22, embora Cameron e Brown tenham sido mais bem avaliados que na outra vez. As atuais pesquisas mostram que o liberal democrata não conseguiu atrair mais eleitores como conseguiu no primeiro encontro.

 

Um último debate entre os três líderes está marcado para a próxima quinta-feira, 29, apenas uma semana antes do dia da eleição, 6 de maio. Segundo as atuais projeções, nenhum partido teria maioria absoluta para governar, mas os conservadores teriam o direito de apontar o primeiro-ministro por serem o partido mais numeroso no Parlamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.