Protestos contra Kremlin terminam com mais de 100 presos

A polícia russa deteve mais de 100 pessoas, incluindo proeminentes opositores do primeiro-ministro Vladimir Putin, durante protestos contra o Kremlin na terça-feira, depois de Putin afirmar que os manifestantes sem autorização poderiam esperar por tratamento duro.

CONOR HUM, REUTERS

31 de agosto de 2010 | 15h54

Em Moscou, a polícia deteve o político da oposição Boris Nemtsov e outras dezenas de manifestantes que se reuniam numa praça central declarada zona proibida na semana passada e gritavam "Vergonha!" e "Rússia sem Putin!."

A polícia levou à força os manifestantes no meio da multidão e os colocou em ônibus, carregando ou torcendo os braços de quem tentava resistir.

Cerca de 70 pessoas foram presas em Moscou, disse o porta-voz da polícia Vikton Biryukov. Aproximadamente 50 pessoas foram detidas na rua principal de São Petersburgo, a Nevsky Prospekt.

Líderes da oposição e ativistas de direitos humanos têm se reunido na Praça do Triunfo, em Moscou, no dia 31 de cada mês, numa data que simboliza o direito de livre reunião garantido pelo Artigo 31 da constituição russa.

Os protestos se tornaram um grande foco de oposição e a resposta policial é percebida como um barômetro da disposição do Kremlin de tolerar a dissensão. A cada protesto a polícia detém manifestantes, mas com graus variados de força.

Putin defendeu ostensivamente a repressão policial contra os manifestantes pró-democracia em uma entrevista publicada na segunda-feira. "Vá sem permissão e você será atingido na cabeça com cassetetes. É tudo o que há a fazer", afirmou ele.

Em Moscou, onde os policiais superavam em número os 400 manifestantes, segundo a polícia, os soldados com coletes à prova de bala arrastaram Nemtsov depois que ele começou a distribuir cópias de um relatório com críticas a Putin em uma extremidade da praça.

A presença policial parecia ser maior na terça-feira do que em manifestações anteriores, com dezenas de caminhões ao estilo militar e outros veículos bloqueando áreas abertas da praça. O número de manifestantes era similar e a polícia foi tão agressiva quanto nas outras vezes.

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIAPROTESTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.