Misha Japaridze/AP
Misha Japaridze/AP

Putin acusa EUA de estimular protestos na Rússia após eleição

Premiê afirma que Washington injetou centenas de milhões de dólares para financiar oposição

Reuters

08 de dezembro de 2011 | 07h39

MOSCOU - O primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, acusou nesta quinta-feira, 8, os Estados Unidos de terem estimulado os protestos no país depois das eleições parlamentares de domingo e disse que centenas de milhões de dólares de recursos externos foram usados por Washington para financiar campanhas.

Em seu primeiro comentário em público sobre as manifestações quase diárias de protesto contra as eleições de domingo, por suposta fraude e imparcialidade, Putin disse que a secretária de Estado dos americano, Hillary Clinton, "deu o sinal" para os opositores do governo. "Ela deu o tom para alguns ativistas da oposição, deu o sinal a eles, eles ouviram esse sinal e iniciaram sua atividade", disse Putin.

O premiê russo afirmou que alguns dos manifestantes que vêm protestando diariamente contra fraude na eleição têm motivações políticas egoístas e que a maioria dos russos não quer uma reviravolta política. "Nós somos todos adultos e entendemos que alguns... dos organizadores agem em consonância com um cenário bem-conhecido e seguindo os próprios interesses políticos mercenários, afirmou."

Os Estados Unidos expressaram séria preocupação sobre o modo como se deu a eleição russa, que Hillary insinuou não ter sido livre nem justa.

 

Os russos tomaram as ruas de Moscou e de cidades como São Petersburgo desde o início da semana em protesto contra o pleito parlamentar. Opositores e observadores afirmam que as eleições foram fraudadas em favor do partido Rússia Unida, de Putin, que conquistou quase 50% dos votos e a maioria dos assentos no Parlamento.

 

Mais de mil pessoas já acabaram presas nos confrontos ocorridos entre manifestantes e as forças de segurança. O governo é acusado de coibir a liberdade de expressão e de autoritarismo na resposta às marchas da oposição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.