Putin acusa EUA de interferir na eleição russa

O presidente russo,Vladimir Putin, acusou na segunda-feira os Estados Unidos deperturbarem a eleição parlamentar de dezembro, amplamente vistacomo uma demonstração de seu poder. Aproveitando-se do sentimento nacionalista russo àsvésperas da eleição de domingo, Putin disse que o país devemanter suas defesas para desencorajar outros países de "meteremseus narizes esnobes" nos assuntos domésticos da Rússia. Europa e Estados Unidos manifestaram preocupação com arepressão policial a protestos durante o fim de semana naRússia. A oposição a Putin diz ter sido virtualmente expulsa damídia e das ruas. Putin, cujo mandato termina em 2008, disse ter visto o dedode Washington por trás da decisão da Organização de Segurança eCooperação na Europa (OCDE) de desistir de monitorar o pleito. "Temos informações de que, mais uma vez, isso foi feito porrecomendação do Departamento de Estado dos EUA", disse Putin emuma reunião com membros do seu partido, o Rússia Unida. "Seu objetivo é privar as eleições de legitimidade, issoestá absolutamente claro", afirmou ele em São Petersburgo, suacidade natal. O OCDE disse ter cancelado a missão demonitoramento eleitoral devido à obstrução das autoridadeslocais. Em Washington, o Departamento de Estado manifestou apoio àdecisão da OCDE, mas disse não ter sido responsável por ela. O porta-voz Sean McCormack disse que os termos duros usadospor Putin são típicos da retórica eleitoral. "Sempre que há umatemporada política, às vezes há uma retórica mais aguda do queo habitual, e não atribuo [as declarações de Putin] a nada alémdisso", afirmou. Dmitry Peskov, porta-voz do Kremlin, disse que uma reuniãoentre funcionários do Departamento do Estado e os monitores daOCDE comprovam a influência norte-americana sobre a decisão.(Reportagem adicional de Guy Faulconbridge, Conor Sweeney eDmitry Solovyov em Moscou e redações de Bruxelas e Paris)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.