Putin cancela férias de autoridades após caos aéreo na Rússia

O primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, proibiu na quarta-feira autoridades da aviação em Moscou de entrarem em férias para o Ano Novo, depois do caos que afetou dois dos principais aeroportos da cidade.

GLEB BRYANSKI, REUTERS

29 de dezembro de 2010 | 18h29

Viajantes enfurecidos agrediram funcionários da companhia aérea estatal Aeroflot no aeroporto Sheremetyevo na terça-feira, quando milhares de pessoas ficaram retidas com poucos alimentos e informações depois que chuvas geladas e apagões interromperam o tráfego pelo terceiro dia seguido.

"Tivemos que tirar alguns de nossos colegas de suas férias. Não haverá férias de agora em diante. Todos devem continuar trabalhando", disse Putin durante uma reunião do governo que contou com a participação de executivos aeroportuários e de companhias aéreas.

A maioria dos russos tira férias de dez dias a partir do dia 1o de janeiro e o país fica praticamente paralisado neste período.

Um apagão também afetou o maior aeroporto de Moscou, Domodedovo, ressaltando pela segunda vez neste ano a incapacidade das autoridades de lidar com as consequências de condições climáticas extremas.

A reação lenta das administrações aeroportuárias e de autoridades foi semelhante àquela ocorrida durante a onda de calor e os incêndios florestais que atingiram a Rússia no verão, prejudicando a popularidade da liderança do país.

Putin, visto como o principal líder da Rússia, frequentemente faz duros comentários após grandes incidentes, buscando manter os altos índices de popularidade, no momento em que o país entra no período eleitoral.

Cerca de 48 mil pessoas na região de Moscou ainda estavam sem eletricidade na quarta-feira, e o número aumentava durante as fortes nevascas e chuvas geladas que cobriram os cabos de transmissão e árvores com gelo espesso.

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIAPUTINFERIAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.