Putin culpa EUA por ausência de monitores europeus em eleição

Presidente afirma que Washington quer desqualificar pleito russo e ameaça relações bilaterais entre países

Reuters e Efe,

26 de novembro de 2007 | 10h55

O presidente Vladimir Putin disse nesta segunda-feira, 26, que a Rússia tem informação de que os Estados Unidos influenciaram a decisão da OSCE de não enviar monitores para as eleições parlamentares russas do próximo dia 2 de dezembro. Os observadores eleitorais da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) desistiram neste mês de acompanhar a eleição parlamentar, alegando que as autoridades russas obstruíam seu trabalho. "Segundo algumas informações, [a desistência] se deveu a uma recomendação do Departamento de Estado dos EUA", disse Putin. "Certamente vamos levar isso em conta com nossas relações bilaterais." Putin disse que os EUA querem usar a ausência de monitoramento internacional para desqualificar a legitimidade das eleições russas. Opositor detido O governo alemão exigiu a libertação imediata do ex-campeão mundial de xadrez Garry Kasparov, detido por forças de segurança russas em uma onda de repressão contra militantes da oposição em Moscou e em São Petersburgo. Kasparov foi detido durante o fim de semana e condenado a cinco dias de prisão por sua suposta participação em "ações não autorizadas", com base em dois artigos do código penal russo. Berlim reiterou a preocupação com a atitude das forças de segurança russas e, especialmente, com a detenção do ex-campeão mundial de xadrez Garry Kasparov", disse o porta-voz oficial do Executivo alemão, Ulrich Wilhelm. "O governo exige a libertação imediata de Gary Kasparov para que possa participar em igualdade de condições das eleições", acrescentou Wilhelm. Na opinião de uma porta-voz do Ministério de Exteriores alemão, a detenção de Kasparov não foi feita de acordo com os preceitos do Estado de direito. Kasparov tem intenção de se apresentar como candidato às eleições presidenciais de março de 2008 na Rússia.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaVladimir Putineleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.